Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Economistas do mercado financeiro passam a ver alta de 3,21% no PIB de 2021

Projeção para a inflação no fim do ano está em 5,06%, acima do centro da meta oficial, segundo o relatório Focus, divulgado pelo Banco Central

Fabrício de Castro, O Estado de S.Paulo

10 de maio de 2021 | 11h22

BRASÍLIA - Os economistas do mercado financeiro alteraram suas projeções para o Produto Interno Bruto (PIB) em 2021. Segundo o Relatório de Mercado Focus, divulgado pelo Banco Central nesta segunda-feira, 10, a expectativa para a atividade econômica este ano passou de alta de 3,14% para elevação de 3,21%. 

Para 2022, o mercado financeiro alterou a previsão do PIB de alta de 2,31% para 2,33%. O PIB é a soma de todos os bens e serviços produzidos no País e serve para medir a evolução da economia.

Os analistas também alteraram a previsão para o IPCA - o índice oficial de preços - no fim de 2021. O relatório Focus mostra que a estimativa para este ano foi de alta de 5,04% para 5,06%. Há um mês, estava em 4,85%. A projeção para o índice em 2022 seguiu em 3,61%. O relatório Focus trouxe ainda a projeção para o IPCA em 2023, que seguiu em 3,25%. 

A projeção dos economistas para a inflação está acima do centro da meta de 2021, de 3,75%, sendo que a margem de tolerância é de 1,5 ponto para mais ou para menos(de 2,25% a 5,25%). A meta de 2022 é de 3,50%, com margem de 1,5 ponto (de 2,00% a 5,00%), enquanto o parâmetro para 2023 é de inflação de 3,25%, com margem de 1,5 ponto (de 1,75% a 4,75%).

A meta de inflação é fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). Para alcançá-la, o Banco Central eleva ou reduz a taxa básica de juros da economia (Selic).

Em 2020, pressionado pelos preços dos alimentos, o IPCA ficou em 4,52%, acima do centro da meta para o ano, que era de 4%, mas dentro do intervalo de tolerância. Foi a maior inflação anual desde 2016.

No último dia 5, para conter a escalada mais recente da inflação, o Banco Central elevou a Selic de 2,75% para 3,50% ao ano. Foi o segundo aumento consecutivo de 0,75 ponto porcentual, em um movimento iniciado em março. Ao anunciar a decisão, o BC sinalizou a intenção de promover novo aumento no próximo mês, para 4,25% ao ano.

Agora, no relatório Focus desta semana, os economistas mantiveram suas projeções para a Selic no fim de 2021 em 5,50%. No caso de 2022, a projeção ficou em 6,25% ao ano, ante 6,00% de um mês antes. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.