Shannon Stapleton/Reuters
Shannon Stapleton/Reuters

Economistas reduzem previsões do PIB dos EUA para os próximos três anos

Segundo as estimativas, PIB dos EUA irá se expandir 2,4% neste ano, menos que a previsão anterior, de 3,2%; projeção para emprego é mais otimista

Dow Jones

15 Maio 2015 | 13h32

Analistas reduziram drasticamente as suas perspectivas para o crescimento econômico dos Estados Unidos após a divulgação de uma série de dados fracos, de acordo com uma pesquisa da regional de Filadélfia do Federal Reserve (Fed, o banco central americano).

Segundo a sondagem trimestral, economistas estimam que o Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA irá se expandir 2,4% neste ano, menos que a previsão anterior, de 3,2%.

Apesar disso, o nível de crescimento é considerado forte o suficiente para fazer o mercado de trabalho voltar a sua plena saúde num futuro próximo. Os economistas preveem que o PIB dos EUA se expandirá 2,8% em 2016 e em 2017, e que o ritmo de crescimento desacelerará para 2,5% em 2018.


Os entrevistados reduziram suas previsões de geração de empregos em 2015 e 2016, mas ao mesmo tempo, se mostraram ligeiramente mais otimistas com a taxa de desemprego. Eles preveem uma taxa média anual de desemprego de 5,4% em 2015, 5,0% em 2016 e 4,8% em 2017 e em 2018.

Em relação à inflação, os economistas esperam que o índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) suba 1,9% no segundo trimestre, mais que a estimativa anterior, de 1,6%. Para o último trimestre do ano, a expectativa é de alta de 0,7% na inflação frente OA mesmo período de 2014 - variação menor que a de 1,1% estimada na pesquisa anterior.

Para a medida de inflação preferida do Fed, o índice de preços dos gastos com consumo pessoal (PCE, na sigla em inglês), a previsão é de aumento de 0,8% no quatro trimestre, frente ao mesmo período do ano passado, também abaixo da estimativa anterior, de 1,1%.

Mais conteúdo sobre:
economiaEUAPIB

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.