Paula Pacheco/AE
Paula Pacheco/AE

Edemar não acreditou que teria de sair da mansão

Livros e remédios no criado-mudo e geladeiras e despensa cheias de alimentos mostram que ex-banqueiro ficou até o último instante

Paula Pacheco, O Estado de S.Paulo

27 de janeiro de 2011 | 00h00

Ontem foi o dia de limpar as geladeiras e a despensa da mansão de Edemar Cid Ferreira. Uma empregada do ex-banqueiro, acompanhada de um funcionário da massa falida, esvaziou os freezers, abarrotados de filés de salmão defumado e peitos de frango. Ainda havia na cozinha pedaços de queijo e pacotes de bolacha.

Também havia caixas e mais caixas de refrigerantes. A preferência da família era pela Coca Zero. Coube à funcionária levar parte das roupas ao ex-dono do quebrado Banco Santos - tudo com autorização de Vânio Aguiar, responsável pela massa falida. Nessa primeira leva, eram duas bagagens pequenas - uma delas uma Louis Vuitton.

Ao que parece, o plano de Edemar de voltar a morar na mansão de 4 mil metros quadrados - de onde foi despejado na quinta-feira passada - começa a fazer água.

Edemar, apesar de saber desde dezembro que deixaria a casa, permaneceu até o último instante. E disse que levaria apenas um pijama, pois estava convicto de que conseguiria voltar.

Tudo na mansão ficou como se o dono tivesse saído e pretendesse voltar logo. Os detalhes não deixam dúvidas, como a única cadeira (com pés folheados a ouro) fora do lugar na imensa mesa para 25 comensais. Ou então os remédios deixados sobre o criado-mudo: muitos Engovs (para os males do estômago) e algumas caixas de Rivotril e Frontal (ambos tranquilizantes), além de outras tantas cartelas de vários medicamentos.

No mesmo móvel ao lado da cama, uma série de livros que revelam um pouco da personalidade de Edemar, como Cadê os Líderes? (de Lee Iaccoca), The Ascent of Money (A Ascensão do Dinheiro, de Niall Ferguson), Os Sertões (de Euclides da Cunha) e o guia Medicina Espiritual.

Edemar está atualizado quanto aos filmes e já tem Cisne Negro e Reencontrando a Felicidade (ambos não estrearam nos cinemas brasileiros nem saíram em DVD nos Estados Unidos).

Investigação. Ontem foi o primeiro dia de trabalho da equipe de arquitetos e técnicos que fará o levantamento das obras de arte espalhadas pelas paredes e estantes da mansão.

Dois funcionários do escritório do italiano Alberto Sauro fizeram primeiramente a identificação visual das obras para depois encontrá-las em uma listagem de 4 mil itens, todos listados pela Justiça. Ontem, eles começaram a verificar uma primeira parede com fotos. Uma das imagens era da modelo Gisele Bündchen, fotografada nua por Irving Penn.

"O trabalho será longo", disse um deles. Os técnicos vão catalogar todas as obras que estão na casa para depois fazer uma perícia que constate a veracidade. Existe uma suspeita, levantada pelo próprio mercado de obras de arte, de que se tentou trocar obras originais por falsas.

Apesar de Edemar ter vivido na casa sob os cuidados de quatro funcionários, mesmo depois de o banco quebrar, em 2004, alguns detalhes revelam problemas com a manutenção do imóvel, como a infiltração em uma das paredes e as pastilhas de um mosaico - mais uma das obras de arte do ex-banqueiro - onde fica o heliponto da mansão. Parte do jardim está descuidada, com grama por aparar. Na garagem do ex-bilionário, apenas um Citroën modelo C3 de um funcionário que ajuda a investigar as despesas para a construção da mansão, para onde foram despejados cerca de R$ 140 milhões.

"Já fui a muitas mansões, mas esta casa é coisa de bilionário", diz o engenheiro e perito Mateus Olmedo, nomeado pelo juiz da 1.ª Vara Cível, Régis Rodrigues Bonvincino, para fazer a perícia estrutural.

Mas o que chama a atenção são as 4 mil obras de arte que estão na mansão. A preferência de Edemar é por fotografias de artistas como Helmut Newton e David LaChapelle. Há quadros muito bem avaliados no mercado de arte, como She-Tree, de Francesco Clemente (estimado em R$ 305 mil), Der Bote, de Georg Baselitz (avaliado em R$ 390 mil), além de L"Oiseau en Chasse, de Karel Appel (R$ 405 mil).

Entre as tantas salas, adornadas por quadros e esculturas, há uma só de livros antigos e cartas originais de nomes como Julio Verne e Albert Sabin. Na suíte do ex-bilionário, há sete quadros da última série de fotos de Marilyn Monroe feitas por Bert Stern.

PARA LEMBRAR

Edemar Cid Ferreira e a mulher Marcia de Maria Costa Cid Ferreira foram despejados na quinta-feira, dia 20, por uma equipe de pelo menos 20 policiais, além do oficial de justiça. Na ocasião, ele tentou negociar a permanência. Sem sucesso, embarcou na BMW de um de seus advogados. Comenta-se que ele já estaria cuidando da retirada das suas roupas do imóvel e calculado que seriam necessários cinco caminhões para fazer a mudança.

Como a casa passou para as mãos do responsável pela massa falida, Vânio Aguiar, é dele a responsabilidade de cuidar da manutenção da casa e pagar as contas. Uma das piscinas aquecidas foi recentemente desligada para economizar nos gastos com a tarifa de energia.

A intervenção no Banco Santos pelo Banco Central ocorreu em 2004. A falência deixou um passivo (atualizado pela correção monetária) de quase R$ 3,4 bilhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.