Andre Dusek/Estadão
Andre Dusek/Estadão

Eduardo Braga sinaliza que Petrobrás continuará investindo na construção de navios

Ministro de Minas e Energia falou a trabalhadores do estaleiro em um ambiente de insegurança por causa de demissões recentes

Fernanda Nunes, enviada especial, O Estado de S. Paulo

14 Maio 2015 | 16h02

IPOJUCA - O ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, sinalizou que a Petrobrás vai contratar mais navios petroleiros, em discurso durante cerimônia de lançamento ao mar do navio petroleiro André Rebouças, no Estaleiro Atlântico Sul (EAS), no município de Ipojuca (PE). O navio faz parte do Programa de Mobilização e Expansão da Frota (Promef) da Transpetro, subsidiária de logística da estatal.

Até hoje, 49 navios foram encomendados, em duas fases do programa. Apenas ao EAS, foram 22, dos quais quatro já foram entregues e mais um está em fase de conclusão. Há a expectativa, no entanto, de que alguns contratos sejam incluídos no plano de desinvestimento da Petrobrás que, em dificuldades financeiras, comunicou que pisará no freio no desenvolvimento de projetos.


"Não ficaremos no Promef 1 e 2", disse Braga a uma plateia de trabalhadores do EAS, que hoje vivem em um ambiente de insegurança, por causa das demissões ocorridas recentemente no estaleiro. Pelas contas do Sindicato dos Metalúrgicos de Pernambuco, 1,4 mil funcionários foram desligados do Atlântico Sul desde outubro.

As últimas demissões ocorreram em abril. Controlado por empresas envolvidas na Operação Lava Jato, da Polícia Federal - Camargo Corrêa e Queiroz Galvão -, o EAS está sendo prejudicado, principalmente, pelo atraso no pagamento pela Sete Brasil, que contratou ao estaleiro sete sondas de perfuração que serão usadas pela Petrobrás.

Ao Broadcast, serviço de informações da Agência Estado, o presidente da Transpetro, Cláudio Campos, afirmou que não há, na subsidiária, definição sobre cortes no Promef. "O plano de desinvestimento está sendo tratado pela Petrobrás (controladora)", disse.

A cerimônia de lançamento do navio André Rebouças foi marcada por um tom nacionalista. De um lado, empresários pedindo apoio do governo para continuar gerando emprego localmente. Do outro, a presidente Dilma Rousseff enfatizando que, "em seu governo", a política de conteúdo local está mantida.

A fala da presidente difere, no entanto, do recado dado pelo ministro Braga a investidores, nos Estados Unidos, de que a política de conteúdo local vai mudar. Ontem, assim como Dilma, o ministro ressaltou que a exigência de contratação de bens e serviços localmente é uma bandeira dos governos do PT, iniciada ainda na gestão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "Políticas públicas constroem e fazem a diferença", discursou Braga.

Mais conteúdo sobre:
economiaPetrobrásEduardo Braga

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.