Educação puxa inflação da classe média paulista para cima

Grupo apresentou elevação de 6,35%, o que representou 0,37 pp toda a taxa de inflação, que foi de 0,58%

SÃO PAULO,

11 de fevereiro de 2009 | 13h29

O grupo Educação foi o principal fator de pressão para o avanço do Índice do Custo de Vida da Classe Média (ICVM) em janeiro. Conforme levantamento da Ordem dos Economistas do Brasil (OEB) divulgado nesta quarta-feira, 11, o grupo apresentou elevação de 6,35%, o que representou 0,37 ponto porcentual de toda a taxa de inflação, que foi de 0,58% no mês passado ante alta de 0,26% de dezembro.   Veja também: Indústria de SP deve retomar expansão Juros voltam a cair em fevereiro, diz Procon-SP De olho nos sintomas da crise econômica  Dicionário da crise  Lições de 29 Como o mundo reage à crise   Segundo a entidade, a média dos aumentos dos preços em cursos regulares foi de 7,13% e a maior elevação, de 8,66%, foi registrada na Educação Infantil. No mês passado, os preços do material escolar e dos livros escolares apontaram altas de 0,72% e 3,09%, respectivamente, no mês passado.   O segundo grupo em ordem de impacto (0,17 ponto porcentual) no ICVM foi a Alimentação. Em janeiro, as despesas com o grupo subiram 0,96% ante baixa de 0,29% em dezembro. Entre os subgrupos, o destaque ficou por conta da variação expressiva de 3,28% dos Alimentos In Natura, seguidos pela alta de 1,00% da Alimentação Fora do Domicílio. O subgrupo Industrializados avançou 0,10%, enquanto os Semielaborados variaram 0,23%.   Os principais itens da Alimentação que pressionaram a alta do ICVM foram a batata, com elevação de 11,98%; refeição (1,14%); frutas de época (14,32%); laranja (6,80%) e alface (8,27%). Já os que mais contribuíram de maneira inversa foram a uva, com recuo de 17,68%; o limão, com baixa de 33,08%; o tomate com declínio de 6,21%; o arroz, com variação negativa de 2,21%; e o óleo de soja, com redução de 4,81%.   No grupo Saúde, que subiu 0,39% em janeiro ante 0,18% em dezembro, o subgrupo Remédios, com alta de 0,68% e o item Médico, com variação de 2,18%, definiram a aceleração média dos preços pesquisados. Os Planos de Saúde elevaram seus valores em 0,19% e os preços dos aparelhos corretivos, em média, indicaram queda de 0,77%.   Quanto aos demais grupos pesquisados pela OEB, a Habitação apresentou alta de 0,19% ante variação de 0,21% em dezembro; e o grupo Despesas Pessoais avançou 0,59% ante taxa de 1,01%. No terreno negativo, o grupo Transportes, refletindo as quedas nos preços dos automóveis novos (4,06%) e usados (2,50%), apresentou declínio de 0,51% ante alta de 0,21% em dezembro. Já o grupo Vestuário, por conta das liquidações, recuou 0,62% ante elevação de 1,15% em dezembro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.