finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Educadores dão dicas para escolher a escola

Os pais que neste mês de outubro devem encontrar a melhor escola para matricular os filhos precisam tomar alguns cuidados. Mais importante que a teoria pedagógica adotada é a forma como a escola trabalha. E, para pesquisar as várias opções, é necessário tempo para visitar as instituições de ensino e marcar entrevistas com a coordenação pedagógica para tirar todas as dúvidas. Para saber exatamente os aspectos que representam maior peso na escolha, a Agência Estado consultou alguns educadores. A educadora e diretora pedagógica, Ana Cristina Saab, afirma que não existe certo e errado. "Os pais devem visitar no mínimo três escolas dentro da proposta que corresponde à personalidade e capacidade de aprendizado da criança e às expectativas da família."A psicopedagoga. Lilia Aguiar Marçon aconselha escolher uma escola cuja coordenação pedagógica esteja aberta ao diálogo fora das reuniões marcadas durante o ano. "É preciso prestar atenção na resposta a estas perguntas: caso haja algum problema com o acompanhamento do filho, a escola avisa imediatamente ou espera as reuniões bimestrais quando o problema já estiver agravado? O que a escola faz quando detecta problemas com a criança? Chama a família?"A principal característica de uma escola, de acordo com a psicóloga Maria Luiza Ramacciotti, é o estímulo à leitura. "O que lêem, com que freqüência e se há biblioteca são perguntas essenciais. Esta é a principal herança da escola para a criança. Uma vez estimulada, ela buscará sozinha o conhecimento de acordo com seus interesses e curiosidades durante a vida inteira." Para ela, uma boa escola deve formar indivíduos mais reflexivos e permitir que questionem, exponham suas opiniões e formulem hipóteses.Veja abaixo algumas dicas e aspectos a serem levados em conta antes de efetuar a matrícula:- conversar em família e definir a escola que corresponde à sua expectativa e à personalidade do seu filho;- conhecer a escola, a metodologia que usa e o projeto pedagógico;- descobrir o que a família espera da escola: um ensino mais tradicional ou liberal;- perguntar se a escola incentiva a leitura, o que se lê e com que freqüência - segundo educadores, este é um dos pontos principais;- observar a criança e ter consciência de que a escola dos seus sonhos pode não ser a mesma do sonho do seu filho;- não escolher a escola apenas por modismo, status e resultados objetivos no vestibular. A probabilidade de erro é muito grande;- atividades extracurriculares - como línguas, computador e práticas artísticas - são importantes, mas não devem ser prioridade;- se a escola oferece estas atividades, saber exatamente quais são elas e a carga horária;- procurar uma escola que se preocupe com o lado humano do seu filho. Ou seja, dê mais enfoque à formação que à informação;- informar-se sobre o corpo docente, de que forma os professores são preparados e quais as exigências da escola;- priorizar a formação e o conhecimento de maneira geral, e não ter apenas a preocupação de que seu filho seja o futuro primeiro lugar no vestibular;- saber se a coordenação pedagógica está aberta ao diálogo em qualquer período do ano letivo;- antes de concluir qual é a melhor escola, marcar uma reunião com a coordenação pedagógica e tirar todas as dúvidas;- deixar claro qual a proposta pedagógica da escola e verificar se está dentro das expectativas e do perfil da família;- fazer perguntas sobre as formas de avaliação, os períodos e os conceitos usados;- perguntar sobre as alternativas que a escola propõe quando o aluno tem dificuldades em acompanhar as aulas;- definir as possibilidades que a escola propõe ao aluno. Se ele pode questionar, colocar suas opiniões, trazer assuntos de casa, formular questionamentos e hipóteses;- conhecer alguns pais que tenham filhos naquela escola e conversar com eles;- visitar a escola e avaliar aspectos como iluminação, segurança e higiene;- realizar visitas de surpresa, durante o período de aulas, e perceber como se comportam as crianças, se estão à vontade;- questionar se a escola necessita da participação dos pais, se envolve a família nos projetos;- escolher uma escola próxima de casa. Isso traz mais comodidade e segurança;- saber que uma classe entre a 1ª a 4ª séries não pode ter mais que 20 a 25 crianças;

Agencia Estado,

16 de outubro de 2001 | 19h08

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.