Efeito ‘mensalão’ faz 3 empresas deixarem de atender os Correios

Nomes das empresas que prestavam serviços para a estatal não foram revelados

Karla Mendes, da Agência Estado,

29 de abril de 2011 | 20h51

O Ministério das Comunicações, por determinação da Controladoria-Geral da União (CGU), inabilitou três empresas que prestavam serviços para os Correios por envolvimento com o mensalão. "Depois de decorridos todos os trâmites, nós declaramos inidôneas, pelo menos três empresas este ano", disse hoje o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo. Os nomes das empresas não foram revelados.

Em relação aos funcionários envolvidos no escândalo, os procedimentos internos na estatal para averiguar os fatos ainda estão em andamento. O ministro disse que na primeira reunião do conselho de administração dos Correios constatou-se que havia mais de 200 processos ainda em aberto. Foi feita uma recomendação à diretoria da estatal para acelerar esses procedimentos. "Na reunião do mês passado, já tinha reduzido pela metade", ressaltou. Nos casos concluídos, houve aplicação de penalidades que variaram de suspensão a demissão, informou Bernardo.

Diante da constatação de que os ritos internos dos Correios para averiguar esse tipo de desvio de conduta são bastante complexos e demorados, os procedimentos estão sendo revistos para acelerar o andamento dos novos processos. "Basicamente, os Correios vão adotar, como regra de inquéritos administrativos, a mesma regra do serviço público. Isso vai representar uma simplificação dos procedimentos", ressaltou o ministro. 

Tudo o que sabemos sobre:
correiosempresasserviçosmensalão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.