Efeitos da crise ainda são sentidos por 59% das indústrias brasileiras, diz CNI

Estudo mostra que 21% das empresas que cancelaram investimentos ainda não conseguiram retomá-los 

Eduardo Rodrigues, da Agência Estado,

23 de setembro de 2010 | 10h25

Dois anos após o agravamento da crise financeira internacional, 59% das indústrias brasileiras atingidas ainda sentem os efeitos do abalo mundial, de acordo com sondagem especial divulgada nesta quinta-feira, 23, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). Entre as pequenas empresas, esse porcentual chega a 63%, enquanto entre as grandes é de 46%.

O documento também revela que 21% das empresas que cancelaram investimentos por causa da crise ainda não conseguiram retomá-los. Além disso, outros 27% voltaram a investir, mas em escala menor do que o planejado antes da turbulência global.

A sondagem mostra que 35% das indústrias afirmam que o acesso ao crédito continua mais difícil do que no período anterior à crise, sendo que para 24%, a inadimplência ficou maior. De acordo com os dados apresentados, 51% das empresas exportadoras consideram que a demanda externa ainda se mantém em um patamar inferior ao de 2008. Porém, 33% dos empresários entrevistados enxergam uma demanda interna maior no atual momento do que antes da crise.

Apesar dos indicadores industriais apontarem para um faturamento recorde na indústria em 2010, 74% dos 27 setores avaliados consideram que a crise ainda não foi superada. Foram entrevistadas 1.353 empresas entre os dias 30 de junho e 20 de julho deste ano. 

Tudo o que sabemos sobre:
cniindústriascriseefeitos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.