Eike deve pelo menos R$ 7 bi a Caixa, Itaú, Bradesco e BTG

Análise dos balanços das companhias do grupo aponta exposição de mais de R$ 1 bi de cada um dos bancos brasileiros

DANIELA MILANESE , ALINE BRONZATI / SÃO PAULO , ALTAMIRO SILVA JÚNIOR , CORRESPONDENTE / NOVA YORK, O Estado de S.Paulo

16 de março de 2013 | 02h10

Quatro grandes bancos brasileiros possuem exposição superior a R$ 1 bilhão cada um às empresas de Eike Batista. Caixa Econômica Federal, Itaú, Bradesco e BTG Pactual são os principais credores do dono do grupo EBX no sistema financeiro nacional.

A conclusão vem da análise dos balanços das companhias abertas pertencentes à EBX feita pelo Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, e de informações de fontes do mercado.

Ao todo, as quatro instituições já teriam liberado pelo menos R$ 7 bilhões ao empresário. Trata-se de um grande salto em relação a 2011, quando os números contábeis da Caixa, Itaú e Bradesco, juntos, não chegavam a R$ 1,5 bilhão.

Aliança. O elevado nível de endividamento de Eike chama a atenção de executivos do setor financeiro. Vários profissionais apontam que as linhas de empréstimos nos grandes bancos brasileiros secaram diante de promessas de resultados que não ocorreram até agora. Isso explicaria o arranjo para a aliança estratégica anunciada na semana passada com o banqueiro André Esteves.

Conforme fontes próximas, o BTG já deu financiamentos de cerca de R$ 3 bilhões ao empresário. Pelos balanços das companhias abertas do grupo, só é possível detectar uma exposição de R$ 500 milhões - considerando que a holding EBX é fechada e não divulga informações. Além disso, o acordo anunciado dias atrás embute nova linha de liquidez de US$ 1 bilhão, valor colocado à disposição por Esteves para Eike usar como e quando quiser.

A avaliação dos balanços mais recentes das companhias abertas do grupo mostra que a Caixa concedeu financiamentos de R$ 1,4 bilhão ao empresário até o ano passado. Em 2011, a Caixa não aparecia entre as credoras.

O levantamento aponta que o Itaú tem praticamente a mesma cifra de financiamentos (R$ 1,4 bilhão), muito mais do que os cerca de R$ 250 milhões concedidos até 2011. O Bradesco já liberou R$ 1,3 bilhão, sendo que até 2011 tinha linhas de R$ 1 bilhão.

Procurados, EBX, Caixa, Itaú, Bradesco e BTG Pactual informaram que não vão comentar o assunto.

Os números do levantamento só consideram os empréstimos que aparecem de forma discriminada nas demonstrações financeiras da OGX, MPX, MMX, LLX e OSX. Há, ainda, empréstimos sindicalizados, debêntures e emissões de títulos no exterior onde não fica possível identificar os recursos tomados pelos bancos.

Para chegar às cifras, foi considerado ainda que a linha de crédito de R$ 600 milhões contratada com o Itaú e o Bradesco em agosto de 2012 pela MMX Sudeste foi dividida igualmente entre os dois bancos. Isso porque, no balanço, não foi especificado o montante de cada um.

Sistema financeiro. Foram usados os balanços até setembro de 2012 no caso da OGX, MMX e LLX e os de dezembro para a MPX e OSX, pois são os últimos disponíveis. Os financiamentos tomados em dólares foram convertidos para reais, conforme os dados das próprias notas explicativas dos balanços.

Embora o elevado endividamento de Eike Batista levante cautela entre grandes executivos do setor, a exposição não é considerada suficiente para provocar grandes danos ao sistema financeiro no caso eventual da crise no grupo se agravar muito.

Há possibilidades de problemas pontuais, como redução do lucro em algum trimestre. As regras nacionais, porém, evitam chances de risco sistêmico, segundo especialistas.

Os bancos têm de seguir as regras prudenciais do Banco Central, que definem limite de crédito a clientes. A resolução 2.844 estabelece que as instituições financeiras devem ter, no máximo, exposição de 25% do patrimônio de referência por cliente. Esse porcentual refere-se à exposição total, incluindo empréstimos, subscrição e investimentos em valores mobiliários.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.