Edgar Su/ Reuters
Edgar Su/ Reuters

El Salvador perde quase R$ 200 mi após queda do bitcoin

O país viu sua reserva cair um terço e risco de calote em dívida soberana aumenta; presidente é alvo de críticas da população por falta de transparência

Lucas Agrela, O Estado de S.Paulo

15 de maio de 2022 | 18h39

El Salvador foi o primeiro país a tornar o bitcoin uma moeda oficial em setembro do ano passado, e passou a compor a reserva nacional com a criptomoeda. Após a queda do preço do bitcoin, puxada pela alta de juros nos Estados Unidos e pelo colapso do criptoativo Terra (LUNA), o país chegou a perder cerca de R$ 200 milhões.

Com o apoio do presidente Nayib Bukele, El Salvador chegou a gastar US$ 103 milhões (mais de R$ 500 milhões, em conversão direta) em bitcoin, segundo dados da Bloomberg, e perdeu US$ 37 milhões com a forte queda do mercado na última semana.

O país comprou 2.301 unidades do bitcoin e, em 9 de maio, quando o mercado já tinha registrado uma queda, Bukele comprou mais 500 unidades da criptomoeda por US$ 15 milhões (R$ 76 milhões). 

O Fundo Monetário Internacional (FMI) havia alertado El Salvador para ter cautela em seus planos em relação ao bitcoin, devido à volatilidade inerente a esse tipo de ativo. Agora, Bukele é alvo de críticas de parte da população por falta de transparência de gastos no projeto.

A queda do mercado de criptomoedas aperta as finanças de El Salvador e eleva o risco de calote em sua dívida soberana de mais de US$ 24 bilhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.