Eldorado Brasil é a melhor empresa de papel e celulose do País no Estadão Empresas Mais
Conteúdo Patrocinado

Eldorado Brasil é a melhor empresa de papel e celulose do País no Estadão Empresas Mais

Investimentos em inovação e sustentabilidade levaram a companhia ao topo do ranking pela terceira vez

Eldorado Brasil, Media Lab Estadão
Conteúdo de responsabilidade do anunciante

13 de novembro de 2019 | 08h00

A Eldorado Brasil foi premiada pela terceira vez como a melhor empresa do setor de papel e celulose do País. Foi considerada, também, a quinta melhor companhia brasileira entre todos os setores, segundo o Prêmio Estadão Empresas Mais. Controlada pela J&F Investimentos, a Eldorado Brasil ganhou destaque no ranking desenvolvido pelo Estadão em parceria com a FIA (Fundação Instituto de Administração) e a agência Austin Ratings. A metodologia do estudo cruza informações relativas ao porte e ao desempenho financeiro de cada empresa em seu respectivo setor.

“Este é mais um reconhecimento pelo trabalho de mais de 4.000 funcionários e mostra que devemos continuar seguindo o caminho da excelência operacional, da inovação e da valorização das pessoas”, avalia o diretor-presidente da Eldorado Brasil, Aguinaldo Gomes Ramos Filho.

No ano passado, a fábrica da Eldorado Brasil em Três Lagoas (MS) produziu 1,7 milhão de toneladas de celulose, número acima de sua capacidade nominal, que é de 1,5 milhão de toneladas ao ano. O resultado foi obtido pela capacidade da equipe e qualidade da planta, que utiliza conceitos de indústria 4.0, como automação e controle eletrônico permanente sobre os processos produtivos. Além da planta em Três Lagoas, a empresa possui um terminal portuário em Santos (SP) e escritórios na Áustria, China e Estados Unidos.

O setor de papel e celulose tem registrado crescimento no Brasil, mesmo diante da crise econômica. De acordo com a Indústria Brasileira de Árvores (Ibá), todo o setor – que além de papel e celulose também inclui pisos, painéis de madeira, madeira serrada e carvão vegetal – registrou crescimento de 13,1% na comparação com 2017, gerando receita de R$ 86,6 bilhões. É uma área da economia que vem oferecendo empregos, receita e renda.

Sustentabilidade e novas tecnologias

A inovação foi o caminho buscado pela Eldorado Brasil para manter-se competitiva em um setor primário, em que o produto é uma commodity. Segundo Aguinaldo, novas tecnologias estão sempre sendo pesquisadas e adotadas para permitir que a empresa tenha um desempenho ainda melhor.

Entre essas iniciativas está o investimento em torno de R$ 350 milhões em uma nova usina para geração de energia limpa, a primeira do Brasil a utilizar tocos e raízes das árvores no processo. Batizada de Onça Pintada, a usina está sendo montada dentro da fábrica e entrará em operação em 2021. Ela vai gerar 50 MWh de energia, que serão fornecidos ao sistema elétrico brasileiro. É eletricidade suficiente para iluminar uma cidade de 300 mil habitantes, como Palmas, no Tocantins, ou o Guarujá, no litoral de São Paulo.

“A nova usina vai produzir energia limpa e renovável, utilizando como combustíveis os tocos e as raízes dos eucaliptos que a Eldorado Brasil usa para a produção da celulose. Esse material hoje fica na floresta e passará a ser aproveitado de forma inovadora”, detalha o diretor-presidente da companhia, Aguinaldo Gomes Ramos Filho.


A geração de energia limpa faz parte da essência da empresa desde sua fundação, em 2010. A fábrica produz toda a energia necessária para seu consumo a partir da queima de subprodutos da fabricação de celulose. E ainda sobra um excedente de até 50 MWh, que a companhia vende para o sistema elétrico nacional. A nova usina Onça Pintada vai dobrar a capacidade de venda de eletricidade da Eldorado Brasil.

A eficiência operacional e a inovação vêm acompanhadas da preocupação com a sustentabilidade. As florestas da empresa são certificadas com os principais selos verdes do mundo, o que garante que não há desmatamento de floresta original. A empresa produz madeira em mais de 200 mil hectares cultivados com eucaliptos e mantém mais de 100 mil hectares de áreas de preservação.

Essa cultura também se refletiu no desempenho financeiro do ano passado, quando a Eldorado Brasil teve seu maior lucro líquido, com R$ 816 milhões e alta de 14,4% na comparação com 2017. A Eldorado Brasil obteve, no mesmo período, receita líquida inédita de R$ 4,6 bilhões, Ebitda de R$ 3,1 bilhões.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.