Electrolux registra queda nos lucros

A sueca Electrolux, líder mundial na fabricação de eletrodomésticos, registrou uma queda de 35,7% no lucro líquido durante o terceiro trimestre, e revisou para baixo as suas estimativas para o restante do ano. As variações cambiais, fundamentalmente causadas pela valorização da coroa sueca em relação ao dólar, tiveram um impacto negativo de cerca de 220 milhões de coroas suecas (US$ 23,7 milhões) nos resultados do terceiro trimestre. Os analistas esperavam um impacto negativo bem abaixo dos 200 milhões de coroas suecas (US$ 21,5 milhões).Assim, de julho a setembro a companhia obteve um lucro líquido de 1,239 bilhão de coroas suecas (US$ 133,4 milhões), ante os 1,928 bilhão de coroas suecas registradas há um ano.O lucro operacional foi de 1,781 bilhão de coroas suecas (US$ 191,7 milhões), que representa uma queda de 27% em relação aos 2,442 bilhões de coroas suecas obtidas no terceiro trimestre de 2001. O lucro operacional incluiu uma provisão de 45 milhões de coroas suecas (US$ 4,8 milhões) relativa a um déficit nos fundos de pensão da Suécia. A Electrolux afirmou que seus fundos de pensão nos Estados Unidos apresentavam um rombo de US$ 87 milhões no dia 30 de setembro.Já o lucro antes dos impostos foi de 1,728 bilhão de coroas suecas (US$ 186 milhões), 21,5% a menos do que os 2,202 bilhões de coroas suecas registradas de julho a setembro do ano passado. A estimativa dos analistas era de um montante próximo a 1,855 bilhão de coroas suecas (US$ 199,7 milhões).Excluindo os itens excepcionais, o lucro antes dos impostos aumenta para 1,703 bilhão de coroas suecas (US$ 183,3 milhões), ante os 845 milhões de coroas suecas registradas há um ano. O resultado do terceiro trimestre de 2001 inclui os ganhos de 3,120 bilhões de coroas suecas proveniente das vendas da maior parte de suas operações com equipamentos de lazer e uma provisão de 1,763 bilhão de coroas suecas voltada ao programa de reestruturação.Agora, a Electrolux afirmou que estima que a demanda para o restante do ano deverá permanecer estável ou ainda ligeiramente inferior em relação a 2001, tanto na Europa como na América do Norte. No entanto, a empresa reiterou que ainda espera alcançar uma melhoria "significativa" em seu lucro operacional para o ano de 2002, na comparação com o ano passado excluídos os itens excepcionais.As vendas no terceiro trimestre caíram 3,2%, para 31,76 bilhões de coroas suecas (US$ 3,4 bilhões), frente aos 32,793 bilhões de coroas suecas faturadas há um ano.ReestruturaçãoDe acordo com a Electrolux, o plano de reestruturação está seguindo o cronograma. Anunciado no ano passado, o projeto se relaciona fundamentalmente às operações com componentes e grandes eletrodomésticos e inclui o fechamento de fábricas e a racionalização dos departamentos de vendas e administração.Cerca de 2,35 bilhões de coroas suecas (US$ 252,9 milhões) do total de 3,26 bilhões de coroas suecas (US$ 350,9 milhões) em provisões para 2001 já haviam sido utilizados até o dia 30 de setembro. As economias durante os nove primeiros meses do ano alcançaram 704 milhões de coroas suecas (US$ 75,8 milhões), sendo que 2.380 funcionários já foram demitidos este ano.BrasilO grupo Electrolux é o maior fabricante de eletrodomésticos do mundo. Vende mais de 55 milhões de produtos anualmente em mais de 150 países. No Brasil, a empresa está presente desde 1926. Tem sede na cidade de São Paulo e unidades fabris em Curitiba (PR), na cidade de São Carlos (SP) e no distrito industrial de Manaus (AM).

Agencia Estado,

22 de outubro de 2002 | 08h55

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.