Eleição na Câmara e novo Ministério atrasam votação do PAC

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva anunciou nesta segunda-feira o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) como solução para os entraves na economia, mas os impasses políticos no governo e no Congresso devem atrasar a votação das propostas pelo Legislativo. Políticos da base governista avaliaram que a indefinição da reforma ministerial e o complicado processo de sucessão à presidência da Câmara podem retardar a aprovação de diversas medidas, sobretudo as polêmicas. Para viabilizar o programa, o Executivo enviou ao Parlamento um conjunto de sete medidas provisórias, quatro projetos de lei e um projeto de lei complementar. "Ninguém vai pensar nisso até 1° de fevereiro. Depois da Câmara, será preciso curar as feridas. Vai ser difícil pensar nessas votações até depois do carnaval", afirmou o presidente do PMDB, deputado Michel temer (SP). Dois deputados da ala governista concorrem ao comando da Câmara. Arlindo Chinaglia (PT-SP) e Aldo Rebelo (PCdoB) disputam o posto com o deputado Gustavo Fruet (PSDB-PR), cuja entrada na disputa acabou jogando dúvidas sobre uma vitória governista. Para Temer, as divergências no mérito das propostas já são suficientes para dificultar sua apreciação. A solução, afirmou, é resolver o quanto antes as contingências políticas. Segundo o dirigente peemedebista, Lula prometeu cuidar da reforma em sua equipe assim que o Congresso eleger seus futuros representantes e após os partidos definirem suas lideranças de bancada. Antes de anunciar o PAC, o presidente reuniu-se com o conselho político da coalizão para delinear os pontos principais do programa. O Planalto tem o desafio de conseguir aprovar as propostas ainda este ano, avaliam parlamentares, preocupados com o calendário eleitoral de 2008. "Passada a eleição da Câmara, temos de ter a capacidade de cicatrização e mobilização para encerrarmos esse assunto. Ou votamos as medidas do PAC este ano ou não terá resultado", avaliou o vice-líder do governo, deputado Beto Albuquerque (PSB-RS).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.