Eleição não afetará dívida, diz Tesouro

O secretário do Tesouro Nacional, Fábio Barbosa, confia que o debate eleitoral não afetará o financiamento da dívida pública em 2002. "Não acho que vai afetar a colocação de títulos", disse. Barbosa espera alguma "ansiedade e volatilidade" no mercado, mas nada que afete a administração da dívida pública. "No debate eleitoral, é normal que os agentes de mercado expressem volatilidade", afirmou. Trará tranqüilidade ao Tesouro Nacional o baixo vencimento de títulos esse ano, principalmente no segundo semestre."A nossa preocupação sempre foi deixar que o ano de 2002 fosse mais tranqüilo. Temos uma situação confortável de vencimentos que nos dá margem de manobra para enfrentar qualquer volatilidade", afirmou. Para o secretário, se consolidou a visão de que o debate eleitoral se dará em torno de assegurar as conquistas do governo atual."Há muitos benefícios que foram atingidos. Essa é uma conquista de toda a sociedade. Ao final, vai prevalecer o interesse público. Inflação e instabilidade afetam todos os brasileiros", justificou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.