Dida Sampaio/ Estadão
Dida Sampaio/ Estadão

Agenda vazia

O período pré-eleitoral poderia servir para o embate de propostas e a apresentação de compromissos, mas não é o que acontece

Luís Eduardo Assis*, O Estado de S.Paulo

18 de julho de 2022 | 04h00

É doce ingenuidade imaginar que a campanha eleitoral poderá servir para um debate profundo sobre as vicissitudes econômicas do Brasil e orientar as medidas que o próximo presidente virá a tomar. Deveria ser assim, claro.

O período pré-eleitoral poderia servir para o embate de propostas e a apresentação de compromissos. Mas até as capivaras do Rio Pinheiros sabem que não é dessa forma que funciona entre nós. Há, tradicionalmente, uma corruptela de programa de governo para a campanha e, mais adiante, o enfrentamento das duras condições para a adoção das medidas que forem mais convenientes, dentro daquilo que é politicamente viável.

Desta vez é um pouco pior. O que o presidente Jair Bolsonaro pode dizer sobre a política econômica de um eventual (sugere-se aqui fazer o sinal da cruz) segundo mandato? O truque de chamar o Posto Ipiranga não funciona mais e uma tentativa similar será apenas vexatória.

Mesmo a cascata verborrágica do ministro da Economia, Paulo Guedes, virou hoje apenas o que sempre foi: cascata. O governo atual, patrocinador emérito da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da esculhambação fiscal, tem muito pouco a oferecer mesmo quando o jogo é apenas atirar sobre a mesa propostas populistas genéricas. Depois do fracasso exorbitante do atual governo, Bolsonaro terá dificuldade até mesmo para mentir.

Nas hostes petistas, avançar em um programa de governo também é oneroso. Começa pelo fato de que não há necessidade premente de apresentar alguma coisa que faça sentido. O eleitor médio se conforta com promessas tão vagas quanto generosas, daquelas que não cabem no orçamento.

Claro que não se poderá argumentar que o dinheiro virá do combate à corrupção, tema constrangedor para o partido, mas sempre será possível fugir de questões específicas com respostas etéreas que remetam aos deveres metafísicos da solidariedade entre os homens.

Mas o que impede mesmo o avanço na definição de um programa do PT é saber se a política econômica do ex-presidente Lula será petista. O mercado financeiro se conforta em pensar que não, enquanto os economistas ligados ao partido travam uma luta intestina, movida por um misto de vaidade e fé, que transforma o grupo em um ninho de mafagafos.

Para a campanha, de qualquer forma, não interessa avançar em propostas, já que parece suficiente explorar o resultado caótico da política atual. Tudo somado, ficaremos com poucas pistas para adivinhar quais medidas nos aguardam no próximo ano. 

*ECONOMISTA, FOI DIRETOR DE POLÍTICA MONETÁRIA DO BANCO CENTRAL E PROFESSOR DE ECONOMIA DA PUC-SP E FGV-SP. E-mail: luiseduardoassis@gmail.com

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.