Eletricidade teve aumento real de 77% em 10 anos

Nos últimos dez anos, os reajustes das tarifas de energia elétrica ficaram bem acima da inflação no período, mesmo com aumentos mais suaves pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) nos últimos meses. Entre dezembro de 1996 até junho deste ano, as tarifas médias subiram 350%, enquanto a inflação medida pelo índice IPCA registrou variação de 196%. Em termos reais (descontando-se a inflação) o aumento na conta de luz atingiu 77%.O maior aumento foi para a indústria, que acumula variação de 430 % nesse intervalo, enquanto para o consumidor residencial o reajuste atingiu 283%. Esse movimento foi mais evidente no governo Lula, invertendo a política adotada no governo anterior, em que os aumentos maiores eram para os consumidores residenciais. Tomando-se o final de 2002 como ponto de referência, o aumento para o consumidor residencial atingiu 144% até junho deste ano, enquanto a indústria amargou aumento de 227% no mesmo período. A tarifa média contabiliza variação de 181% nesses quatro anos e meio, a partir de dezembro de 2006.Dos oito segmentos listados pela Aneel, o que teve maior incremento no governo Lula foi o segmento de consumo próprio, ou seja, as empresas que produzem a energia que consomem. O aumento para esse setor atingiu 287% desde dezembro de 2006, com variação de mais de 100 pontos percentuais em relação ao aumento médio de todos os setores. Ao contrário do governo anterior, as autoridades governamentais não vêem com bons olhos a presença de auto-produtores na geração de energia elétrica.Mesmo com esses reajustes diferenciados, o setor industrial ainda tem tarifas inferiores às praticadas pelos consumidores residenciais, o que é justificado por volumes mais elevados de energia consumida. Pelos dados da Aneel, a tarifa média era de R$ 258,07 por MWh em junho enquanto os consumidores residenciais pagavam tarifas de R$ 300,46 e as indústrias R$ 216,88. O poder público e os auto-produtores estão com tarifas próximas às dos consumidores residenciais, com tarifas de R$ 296,90 e R$ 294,58 por MWh, respectivamente. As tarifas mais baixas eram para iluminação pública (R$ 167,03), setor rural (R$ 181,15) e serviço público (R$ 191,36).

ALAOR BARBOSA, Agencia Estado

11 de outubro de 2007 | 19h56

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.