Eletrobrás assume o controle da Celg

Empresa terá 51% da Celg como garantia de um empréstimo de Goiás com a Caixa no valor de R$ 3,527 bi

RUBENS SANTOS, ESPECIAL PARA O ESTADO / GOIÂNIA, O Estado de S.Paulo

16 de dezembro de 2011 | 03h10

Por meio de comunicado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a Eletrobrás informou ter assinado protocolo de intenções com a Celg Distribuidora, para assumir o controle acionário da maior empresa estatal de Goiás. Pelo acordo, firmado dia 9 e anunciado somente ontem, a Eletrobrás assumirá o controle acionário, ou 51% das ações da Celg, como garantia de um empréstimo do Estado de Goiás com a Caixa Econômica Federal no valor de R$ 3,527 bilhões.

O dinheiro da Caixa será liberado em parcelas - a primeira delas, no valor de R$ 1,799 bilhão, sairá em cinco dias. A Celg ainda manterá 49% das ações. Mas, para bancar uma dívida remanescente e acumulada de R$ 2,270 bilhões, terá de investir em gestão, inovação e tecnologia.

Segundo o ex-presidente da Celg José Eliton, que deixou o comando da estatal depois do acordo, com o dinheiro do empréstimo, Goiás pagará dívidas de ICMS da Celg com o governo estadual e dívidas com as prefeituras municipais. Entre o dinheiro que sai e o que entra, a Celg ainda fica devendo cerca de R$ 470,1 milhões, em contas diversas, e mais R$ 1,799 bilhão para o setor elétrico.

Porém, com as contas com a Eletrobrás em dia, a estatal poderá reajustar as tarifas em cerca de 30%. Nos cálculos da estatal, a Celg deve voltar ao azul em dezembro de 2014. Da primeira parcela do empréstimo, de R$ 1,799 bilhão com a Caixa, a Celg vai pagar R$ 422 milhões das dívidas de ICMS com o Estado e R$ 449 milhões serão destinados às prefeituras municipais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.