Eletrobrás estima em 33 mil MW potencial no Norte

A Região Norte brasileira tem potencial para ampliar em mais 33 mil megawatts (MW) a geração hidrelétrica no País. A estimativa é do presidente da Eletrobrás, José Antonio Muniz, em texto divulgado na página de internet da empresa. Muniz acredita que os novos aproveitamentos hidrelétricos podem ser concluídos com sustentabilidade ambiental. "Quando a sociedade está convencida dos benefícios, os projetos seguem em frente com sucesso", destacou Muniz. Ele fez palestra ontem sobre o potencial do setor para cerca de 40 empresários dos conselhos e diretoria da Associação Brasileira das Indústrias de Base (Abdib), em São Paulo.Muniz apontou o Pará e áreas próximas como uma região de grande potencial hidrelétrico, citando os projetos já identificados, como Belo Monte, Santa Isabel, Marabá e Tapajós, além de uma ampliação de Tucuruí. Na bacia do rio Tapajós, o potencial hidrelétrico somaria aproximadamente 15 mil MW distribuídos em cerca de seis usinas. "Os estudos de inventário devem ser concluídos em junho deste ano", ressaltou. A usina de Belo Monte, por sua vez, tem potencial para gerar até 11 mil MW, o que a tornaria a maior usina exclusivamente brasileira, considerando que Itaipu é binacional (Brasil e Paraguai).O presidente da Eletrobrás defendeu também a necessidade de intensificar a expansão da capacidade de geração de energia eólica e por biomassa no País. Realçou, também, a importância de existir uma integração energética entre os países da América Latina, principalmente entre Brasil e Venezuela, pois ambos teriam grandes ganhos devido ao regime complementar de chuvas, acentuou Muniz.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.