Washington Costa/Ministério da Economia
Washington Costa/Ministério da Economia

Eletrobrás perdeu R$ 351,6 bi em 18 anos por ser estatal, calcula secretário de Guedes

Defensor da privatização, Diogo Mac Cord disse ainda que a Eletrobrás tem investido apenas R$ 3 bi por ano, o que tem reduzido a participação da companhia no setor elétrico

Anne Warth, O Estado de S.Paulo

09 de abril de 2021 | 11h26

BRASÍLIA - A decisão de manter a Eletrobrás como uma empresa estatal gerou perdas de R$ 351,6 bilhões nos últimos 18 anos, disse ao Estadão/Broadcast o secretário especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados do Ministério da Economia, Diogo Mac Cord

Defensor da privatização da companhia, Mac Cord fez o cálculo como forma de rebater o discurso dos opositores da capitalização da empresa, segundo o qual não é preciso privatizar empresas públicas lucrativas. O valor corresponde a quase oito vezes os recursos que serão usados neste ano para pagar uma nova rodada de auxílio emergencial aos vulneráveis em razão da pandemia de covid-19, de R$ 44 bilhões.

"Fiz uma comparação com o que ocorreu: a decisão de não privatizar a Eletrobrás, tomada por lei em 2004, e o que poderia ter ocorrido se a empresa tivesse sido vendida, como determinava um decreto de 1995", explicou o secretário.

Para chegar aos valores, Mac Cord calculou a diferença entre o patrimônio líquido da Eletrobrás entre 2002 e 2020, abateu os dividendos pagos e somou os aportes realizados no período. Todos os valores atualizados pela Selic, a taxa básica de juros.

"Mesmo considerando a distribuição de lucros, os acionistas hoje estariam R$ 351,6 bilhões mais ricos. Houve destruição de valor", afirmou. Para Mac Cord, não há dúvidas de que o contribuinte foi prejudicado por essa decisão de manter a Eletrobrás sob controle da União. "Temos que pensar como gestores. Independente de serem receitas financeiras ou primárias, o cidadão saiu perdendo", afirmou.

Nesta sexta-feira, 9, o presidente Jair Bolsonaro editou decreto que formaliza a inclusão da Eletrobrás no Programa Nacional de Desestatização (PND). Publicado no Diário Oficial da União (DOU), o ato autoriza o início dos estudos necessários à estruturação do processo de capitalização da empresa, conforme prevê a Medida Provisória 1031/2021, editada em fevereiro. 

A inclusão da Eletrobrás no PND e a contratação dos estudos são as únicas etapas que podem ser feitas neste momento dentro do processo que levará à privatização da estatal. Conforme o próprio governo já destacou, todos os demais atos dependem da aprovação da MP pelo Congresso e sua respectiva sanção pelo presidente. O próprio decreto estabelece que, na hipótese de a MP não ser convertida em lei, a qualificação da Eletrobras no âmbito do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) e sua inclusão no PND perderão seus efeitos.

Em defesa da privatização, Mac Cord afirma que a Eletrobrás tem investido apenas R$ 3 bilhões por ano, o que tem reduzido a participação da companhia no setor elétrico, e que a capitalização poderia elevar esse volume a R$ 13 bilhões. "A Eletrobrás privatizada interromperia a destruição de valor e daria R$ 10 bilhões adicionais à companhia. Isso é geração de emprego e renda, mais uma externalidade positiva", afirmou.

A Eletrobrás e suas subsidiárias foram incluídas no Programa Nacional de Desestatização (PND) por decreto publicado em 1995, durante o governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Em 2004, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva excluiu as empresas do PND por lei. O ex-presidente Michel Temer tentou incluí-las novamente por medida provisória e projeto de lei, mas ambos foram rejeitados pelo Congresso.

Já o governo Jair Bolsonaro enviou um projeto de lei em 2019 para privatizar a companhia, mas a proposta tampouco avançou. Neste ano, o governo editou a MP 1031/2021, por meio da qual autorizou o BNDES a contratar estudos para a privatização da companhia. Esse era o único dispositivo da MP com vigência imediata. Todos os outros termos dependem de sua aprovação pelo Congresso e da sanção presidencial para entrar em vigor. Ela precisa ser votada até 22 de junho para não caducar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.