Pilar Olivares/Reuters - 20/8/2014
Pilar Olivares/Reuters - 20/8/2014

Eletrobras: privatização da empresa deve ser realizada em março e abril, diz BNDES

Emissão de ações deverá reduzir a participação da União no capital da estatal para 45%, considerando as ações com direito a voto; BNDES ainda aguarda aval do TCU para iniciar a capitalização

Denise Luna, O Estado de S.Paulo

05 de janeiro de 2022 | 20h48

RIO - O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) mantém para abril a expectativa para a realização do processo de capitalização da Eletrobras, informou o chefe de Departamento de Estruturação de Empresas do banco, Leonardo Mandelblatt, durante a audiência pública sobre a desestatização da companhia.

Mandelblatt disse que espera ainda para janeiro a manifestação do Tribunal de Contas da União (TCU) sobre o processo, e a assinatura do acórdão com o TCU em março, quando também será lançada a oferta pública.  

A emissão de ações da Eletrobras busca reduzir a participação da União no capital da empresa para 45%, considerando as ações com direito a voto. Hoje, o governo tem participação de 72,33%. Em relação ao capital total, a participação do governo cairia dos atuais 61,77% para 40,84%.

Com oito horas de duração e dois intervalos, a audiência pública esclareceu algumas dúvidas levantadas pelos participantes, mas a maioria das questões terá que esperar a convocação da Assembleia Geral Extraordinária (AGE) da Eletrobras, prevista para fevereiro.

Segundo as autoridades e organizadores da operação presentes na audiência, informações como o valor da usina hidrelétrica binacional de Itaipu e da Eletronuclear serão conhecidos na convocação da AGE. A cisão das duas empresas foi o tema mais questionado por advogados, empregados e ex-empregados da Eletrobras, agentes do setor e engenheiros que participaram da sessão.

A tarifa que será usada para a usina de Angra 3, ponto bastante questionado, "será aquela que garanta uma remuneração justa", limitou-se a responder Leonardo Mandelblatt, do BNDES ressaltando que a informação constará na convocação da AGE.

Mandelblatt informou que existe ainda a previsão de um acordo de acionistas e um acordo de investimentos entre a Eletrobras e a BNBPar, que absorverá as duas empresas (Itaipu e Eletronuclear, hoje parte da Eletrobras) cujos documentos também serão disponibilizados para a AGE de fevereiro. Os acordos vão garantir o aporte financeiro em Angra 3 pela Eletrobras, mesmo depois de privatizada, garantiu.

Ações judiciais

Mandelblatt descartou também uma enxurrada de ações judiciais contra a capitalização ou questionamentos de órgãos reguladores, hipótese levantada na fase de perguntas, afirmando que tudo está sendo feito dentro das regras de governança e através de assembleias.

"Não temos motivos para esperar questionamentos, nem da CVM (Comissão de Valores Mobiliários) e nem da SEC (Securities and Exchange Commission)", disse Mandelblatt. 

Itaipu

O valor da usina hidrelétrica binacional de Itaipu, avaliada em R$ 1,2 bilhão, também foi questionado. Após 2023, quando estará totalmente amortizada, Itaipu passará a ter faturamentos bilionários, segundo um dos participantes. A importância de Itaipu para o acionista da Eletrobras foi minimizada pelo sócio da corretora Genial Ricardo Justo, contratada pelo BNDES para assessorar a capitalização.

 "O valor de Itaipu para a Eletrobras é muito pouco, o excedente econômico não é capturado nem pela Eletrobras nem pela Ande (do lado paraguaio), é capturado pelos dois Estados dos dois lados", explicou, referindo-se aos governos brasileiro e paraguaio.

Segundo ele, a receita total de Itaipu nem aparece no balanço da Eletrobras, que fica apenas com 12% sobre os investimentos feitos e recebe uma remuneração pela comercialização da energia da usina.

Eletronet 

O mesmo raciocínio foi usado pelo presidente da Eletrobras, Rodrigo Limp, em relação à Eletronet, estatal que administra a rede de fibra óptica das subsidiárias da Eletrobras. Durante a sessão de perguntas, o presidente do Instituto Telecom, Marcelo Miranda, alertou que o contrato entre as duas companhias foi considerado irregular pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), e que a questão deveria ser resolvida antes da venda.

Limp explicou que considera o acordo importante, mas que poderá ser feito após a capitalização. "Não entendemos que esse acordo é uma condicionante da capitalização", afirmou.

De acordo com o sócio da Genial, a Eletronet é o mesmo caso de Itaipu, não é relevante para o valor da empresa. Ele ressaltou ainda, que os acionistas minoritários serão responsáveis pela aprovação da capitalização na AGE, já que a União não participará da votação, e com as informações que serão disponibilizadas na convocação da assembleia, saberão tomar a decisão correta.

"Além disso, todo o valuation do negócio terá que ser aprovado pelo TCU (Tribunal de Contas da União), e só vai ser concluído com a aprovação do TCU", disse Justo.

A expectativa era de que a avaliação do TCU ocorresse no ano passado, mas a decisão foi postergada e ainda está cercada de incertezas, depois que o relator, ministro Aroldo Cedraz, solicitou mais informações, como estudos sobre os impactos do repasse da estatal para consumidores, entre outras questões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.