Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Eletrobrás quer comprar empresa no Peru, diz presidente

Ação faz parte da 'internacionalização' da estatal, que pretende buscar oportunidades fora da América do Sul

Kelly Lima, da Agência Estado,

11 de agosto de 2009 | 15h21

O presidente da Eletrobrás, José Antônio Muniz, disse nesta terça-feira, 11, que a companhia vai iniciar seu processo de internacionalização comprando uma empresa no Peru. Muniz não especificou qual seria esta empresa, mas disse que a medida atende à intenção da estatal de participar do processo de licitação de duas usinas hidrelétricas de pequeno porte.

 

Segundo Muniz, as regras peruanas preveem que, para disputar estas usinas, há a necessidade de ter uma representação no país. "Como a data da licitação está muito próxima, prevista para setembro, não sabemos se haverá tempo, mas estamos tentando negociar e ao mesmo tempo solicitamos um adiamento do leilão", disse o presidente da estatal após apresentação no Energy Summit no Rio.

 

Muniz afirmou que esta negociação no Peru está completamente desatrelada dos investimentos que a companhia vai fazer para a construção das usinas térmicas em parceria entre os governos do Brasil e do vizinho sul-americano. Segundo ele, as usinas hidrelétricas estão próximas do mercado consumidor peruano, na costa do Pacífico, e devem ter capacidade entre 200 MW e 300 MW.

 

O presidente da companhia energética destacou ainda que este deverá apenas ser um primeiro passo em direção à internacionalização da estatal. "Temos interesse de buscar outras oportunidades não só na América do Sul", disse. Pouco antes, em sua apresentação, Muniz havia citado os Estados Unidos como ponto estratégico para a empresa. Segundo ele, é interesse da Eletrobrás deixar de compor o superávit para ter mais dinheiro para investir. "Já estamos solicitando isso ao governo e pedimos para que fôssemos atendidos já para o orçamento de 2010", afirmou Muniz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.