Eletrobrás quer participação da Vale na usina Foz de Chapecó

A Eletrobrás está interessada na participação da Vale do Rio Doce na usina Foz de Chapecó em Santa Catarina. A informação é do presidente da holding estatal de energia elétrica, Aluisio Vasconcelos, em entrevista coletiva logo após lançar o programa "Um Brasil de Luz, um Natal de Luz". Ele não quis adiantar detalhes da negociação, alegando que a Vale do Rio Doce ainda não formalizou proposta de venda. "É um projeto que interessa muito à Eletrobrás e ao País, já que são 855 megawatts de potência", disse Vasconcelos. Ele observou ainda que o projeto da usina é coordenado pela CPFL (40%); CVRD (40%) e CEE (20%). Um ponto que a Eletrobrás não abre mão, porém, é de alcançar a taxa de rentabilidade de no mínimo 14% ao ano, conforme ressaltou Vasconcelos. Participação e projetos A participação do grupo Eletrobrás poderia se dar através de duas de suas subsidiárias, como a Eletrosul, ou então Furnas Centrais Elétricas. O presidente da Eletrobrás disse que a empresa tem interesse em outros dois projetos de hidrelétricas que estão com problemas de construção. Um deles é a usina de Estreito, na divisa de Tocantins com Maranhão, e de cerca de mil megawatts. Essa usina foi arrematada em leilão por um consórcio integrado pela Tractebel, Vale do Rio Doce, BHP Billinton. Mas a BHP já anunciou a disposição de vender a sua participação. Vasconcelos não quis citar o outro projeto que está sendo analisado pela Eletrobrás. "Eu não sei se é São Fernando ou Santo Antônio. A usina tem nome de santo", resumiu.

Agencia Estado,

09 Setembro 2005 | 15h25

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.