carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Eletrobrás só patina no plano de ser ''Petrobrás''

Estatal quer sair do cálculo do superávit primário para poder investir

Suely Caldas, RIO, O Estadao de S.Paulo

18 de maio de 2009 | 00h00

Dois anos depois de anunciar que fará da Eletrobrás uma estatal eficiente, gigante e lucrativa como a Petrobrás, o governo deu passos muito lentos nesta direção. Por enquanto, só há intenções e projetos no papel, nenhuma obra nova; alguma melhoria no resultado financeiro de três das seis distribuidoras de energia do Norte e Nordeste, cronicamente deficitárias; e início da negociação de ações do tipo ADR2 na Bolsa de Nova York, desde 31 de outubro passado, com poucos negócios. Alcançar a marca de uma Petrobrás, avaliada em R$ 285 bilhões, o dobro de seu patrimônio líquido (R$ 144 bilhões) é hoje um sonho distante para uma Eletrobrás que tem valor negativo de R$ 26 bilhões, 3,3 vezes menor que seu patrimônio (R$ 86 bilhões).Há pelo menos três décadas atuando sob influência política, antes do falecido senador Antonio Carlos Magalhães e hoje do senador José Sarney (PMDB) e do PT, a Eletrobrás não consegue se livrar dos dois maiores problemas que abalam sua imagem, freiam seu progresso e contribuem para desvalorizá-la: a politização da gestão das empresas do grupo e um estoque de dividendos há 30 anos retidos, avaliado hoje em R$ 10 bilhões e que afugenta potenciais investidores interessados em ações da empresa.Há um ano e dois meses na presidência da Eletrobrás, o engenheiro José Antonio Muniz tem mais de 40 anos de experiência no setor elétrico - comandou as subsidiárias Eletronorte e Chesf - e sua nomeação recebeu a bênção entusiasmada de Sarney. Ele meio que nega, confirmando: "Sou amigo do presidente Sarney, mas quem me indicou foi o ministro Lobão. Lógico, depois de consultar Sarney". Disposto a concretizar a missão de repetir o desempenho da Petrobrás, Muniz escolheu como prioridade neste momento tirar a Eletrobrás do cálculo do superávit primário, o que lhe faria sobrar R$ 1,6 bilhão. "É com esse dinheiro que quero começar a pagar os dividendos atrasados", diz. Ao ser lembrado que o ministro da Fazenda, Guido Mantega, se opõe a tirar a Eletrobrás do superávit primário, argumentando que a empresa não é lucrativa, não tem gestão eficiente, nem boa governança, Muniz responde convicto: "Não sei porque ele diz isso, acho que não conhece. Tenho apoio do presidente Lula, dos ministros Lobão, Paulo Bernardo e Dilma Rousseff. Isto me basta". POLITIZAÇÃO DAS ELÉTRICAS"A indicação é política, mas o diretor é técnico. O único diretor político na Eletrobrás é o ex-prefeito Miguel Colassuono e aqui não há politicagem", explica Muniz, nomeando um a um os diretores e seus padrinhos. Nas subsidiárias, ele admite haver "politicagem" só em Furnas, onde a diretoria é rateada entre PT e PMDB. Ele quis trocar dois diretores do fundo de pensão da empresa e só desistiu porque os funcionários sensibilizaram o presidente Lula, ameaçando entrar em greve. José Antonio Muniz reconhece haver indicações políticas nas demais subsidiárias, mas ressalva: "Qual o problema da indicação política? Na Eletrosul, o presidente é ex-marido da senadora Ideli Salvatti (PT) e na Eletronorte o deputado Jader Barbalho (PMDB) nomeou o presidente Jorge Palmeira. Mas os dois são técnicos", tentando ignorar a sistemática troca de favores entre o nomeado e o partido que o indicou. O primeiro ato legal do governo federal para mudar a Eletrobrás foi uma medida provisória, de 11 de março de 2008, que ampliou os poderes da estatal e autorizou-a a atuar no exterior. Segundo Muniz, desde então a diretoria vem negociando parcerias na África, Peru e Argentina. Mas, até o momento, não há projeto em execução. "A MP definiu um novo modelo de atuação da Eletrobrás. Se, no governo FHC, estava condenada a morrer porque todas as subsidiárias geradoras seriam privatizadas, agora ela ganhou força de holding, com a subordinação de todas as geradoras e o poder de operar em outros países", explica Muniz. Enquanto as distribuidoras privadas só registraram lucros após a privatização, as seis estaduais sob intervenção da Eletrobrás (Manaus, Alagoas, Acre, Rondônia, Roraima e Piauí) há anos apresentam prejuízos crescentes. Focos de corrupção e de uso político eleitoral dos governadores, o presidente da Eletrobrás reconhece que organizá-las e prepará-las para melhorar seus resultados implicava "afastar a gestão dos governadores". Acabou com as diretorias regionais e nomeou uma diretoria única para todas, presidida por Flávio Decat e com sede no Rio de Janeiro, longe do poder político local. Em 2008 três delas (Manaus, Alagoas e Acre) já começaram a dar pequenos lucros. Estarem sob a guarda da Eletrobrás, influenciando negativamente seu resultado financeiro, é mais um obstáculo para a estatal alcançar a meta de gestão eficiente, atrair investidores e tornar-se uma empresa pública como a Petrobrás. Agora o governo federal quer entregar para a Eletrobrás mais uma e a pior delas - a do Amapá (CEA), cuja concessão a Aneel já pediu caducidade, não concedida pelo governo Lula por pressão do senador José Sarney (PMDB-AP). Há anos a CEA não paga a energia que recebe da Eletronorte, a dívida já soma R$ 560 milhões e a tendência é só crescer. Muniz diz que só aceita receber a CEA se "alguém assumir a dívida". Ou seja, o Tesouro, o contribuinte brasileiro. FRASESJosé Antonio MunizPresidente da Eletrobrás"Sou amigo do presidente Sarney, mas quem me indicou foi o ministro Lobão. Lógico, depois de consultar Sarney""A indicação é política, mas o diretor é técnico. O único diretor político na Eletrobrás é o ex-prefeito Miguel Colassuono e aqui não há politicagem"

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.