Eletrobras vê benefício para Belo Monte com Venezuela

A partir da integração do Brasil com a Venezuela, por meio da concessão de uma linha de transmissão até Boa Vista, o diretor de Geração da Eletrobras, Valter Cardeal, afirmou que a usina de Belo Monte, no Pará, terá ganhos energéticos. De acordo com o executivo, será possível com essa interligação integrar as operações da hidrelétrica com a usina Guri, na Venezuela, melhorando o aproveitamento energético do projeto brasileiro.

WELLINGTON BAHNEMANN, Agencia Estado

22 de agosto de 2011 | 12h41

A usina de Belo Monte tem uma capacidade instalada de 11 mil megawatts (MW), porém o seu aproveitamento energético gira em torno de 4,5 mil MW médios por se tratar de uma usina sem reservatório. A baixa geração de energia tem sido alvo de críticas de ambientalistas contrários ao empreendimento. Cardeal, contudo, lembrou que o ciclo de geração da usina é complementar ao de outras grandes usinas hidrelétricas brasileiras. "O regime de geração de Belo Monte é complementar ao de Tucuruí e Itaipu", afirmou o executivo, que participou de evento promovido pela revista CartaCapital, em São Paulo.

No mesmo evento, o presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Maurício Tolmasquim, disse que a autarquia já está trabalhando no projeto de interligação da usina de Belo Monte ao sistema de transmissão brasileiro. De acordo com o executivo, o projeto atual prevê uma linha de transmissão de corrente contínua para o Sudeste e uma de corrente alternada para o Nordeste.

Tudo o que sabemos sobre:
energiaBelo MonteEletrobrasVenezuela

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.