Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Eletrodomésticos retomam reajustes de preços

Fabricantes de geladeiras, fogões, máquinas de lavar, televisores e aparelhos de som, entre outros eletroeletrônicos, estão promovendo nova rodada de aumento de preços, aproveitando a recuperação das vendas no mercado interno e o crescimento das exportações, que enxugou a oferta local. Depois de meses de vendas fracas por causa da crise do racionamento de energia elétrica, a intenção da indústria agora é recuperar nos preços parte das pressões de custos decorrentes da alta do dólar.A BSH Continental, por exemplo, está reajustando em 5%, em média, as tabelas este mês, depois de já ter corrigido em 5% os seus preços em setembro, conta o presidente da companhia para América Latina, Bernhard Schuster. Ele explica que, apesar de boa parte de os componentes e matérias-primas usadas serem nacionais, há influência da alta do dólar nas cotações de insumos usados, como plásticos e fios de cobre."Estamos tentando aumentar os preços", diz o vice-presidente da Philco, Cláudio Vita. Ele explica que um novo reajuste depende da linha de produto e do cliente, mas, em média, gira em torno de 3%. A empresa aumentou neste ano entre 6% e 7% os seus produtos. "A defasagem entre custos e preços é enorme", destaca o executivo. Ele pondera, no entanto, que é cedo para dizer que está havendo uma recuperação - mas ele aposta que ela vai acontecer.A Semp Toshiba é outra que aumentou preços. Nos dois últimos meses, a empresa reajustou em 10% suas tabelas para o varejo, mesmo tendo aumentado em 6% as cotações no primeiro semestre. A Philips acumula reajuste de 7% nos preços as lojas de janeiro a setembro. De acordo com o vice-presidente de Consumers Electronics, Paulo Ferraz, seria necessário repassar mais 10% para o varejo para equilibrar os custos e os preços.Frost FreeDe olho na boa perspectiva dos produtos nacionais para este fim de ano, a BSH Continental a partir do mês que vem está colocando no mercado a primeira geladeira com degelo automático (frost free) produzida no País pela companhia, com a marca Bosh. O produto top de linha que irá custar no varejo entre R$ 1.500,00 e R$ 1.700,00.

Agencia Estado,

23 de outubro de 2001 | 09h44

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.