Nilton Fukuda/ Estadão
Nilton Fukuda/ Estadão

Eletrodomésticos têm o maior aumento de faturamento da Black Friday no e commerce, diz Ebit/Nielsen

Crescimento foi de 26,2% no período de Black Friday, na quinta e sexta-feira, 22 e 23 de novembro; em pedidos online, aumento foi de 16,7%

Felipe Siqueira, O Estado de S.Paulo

28 de novembro de 2018 | 16h44

Os setor de eletrodomésticos foi o que mais cresceu em faturamento no e commerce - as chamadas lojas virtuais - nos dias de Black Friday de 2018 (quinta e sexta-feira, 22 e 23 de novembro), segundo a Ebit/Nielsen, com 26,2% de aumento, em comparação com o mesmo período de 2017. 

Em número de pedidos realizados online, o setor também liderou o crescimento neste ano, com 16,7% mais solicitações, na comparação com o ano passado. 

A chamada linha branca superou, inclusive, um dos maiores segmentos de faturamento nocomércio eletrônico, que são os telefones e celulares. Os smartphones tiveram 20,9% mais faturamento, e, em pedidos, cresceram apenas 9%, ficando atrás de itens como Perfumaria e Cosméticos/Saúde e Casa e Decoração. Os dados são comparados com o período de Black Friday de 2017. Para se ter uma ideia, a Black Friday, para os itens de tecnologia comercializados em plataformas online, é a principal data de vendas. Nas vendas em geral, é a segunda maior data de compras, ficando atrás do natal. 

A líder comercial para Ebit/Nielsen, Ana Szasz, explica que o consumidor brasileiro, quando se trata de linha branca, gosta de começar a compra de forma online, avaliando as descrições e os preços, para, depois, finalizá-la, seja no online ou em lojas físicas. “O consumidor pesquisou antes da Black Friday. Grandes itens não têm  tanto compra por impulso, têm compra mais planejada. Geralmente, se comprou este tipo de produto no evento, já viu os preços desde o fim de outubro, para tomar a decisão de compra na Black Friday”, diz. 

O crescimento para o setor de eletrodomésticos é expressivo, segundo o Gerente de Insights para o Varejo do Google Brasil, Diego Venturelli. Ele fala que o volume de buscas realizadas sobre a linha de eletrodomésticos no Google durante a sexta-feira da Black Friday, em comparação com as cinco sextas anteriores, cresceu 283%. 

“Esta era uma aposta que o Google já tinha antes da data, porque as buscas já vinham crescendo dentro da plataforma. Mas nós não sabíamos que ia ser tão grande (o fenômeno de eletrodomésticos)”, diz. “Surpreendeu o alto crescimento”, completa. Venturelli afirma também que o setor de eletroportáteis, como liquidificadores e torradeiras, cresceu muito em buscas, mais até que eletrodomésticos. Foram 398% mais pesquisas no dia 23 de novembro. 

Venturelli aponta o tempo de vida útil dos produtos como um dos principais motivos deste crescimento tão forte. Em meados de 2012 e 2013, o governo brasileiro, da então presidente Dilma Rousseff (PT), promoveu redução de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) na linha branca. Na época, houve boom em vendas destes itens, que estão chegando ao final de vida útil entre este ano e o próximo, 2019, o que faz com que as pessoas passem a comprar novamente esta linha. “Já tem seis anos a redução do tributo e alguns dos produtos tem um ciclo de compra em torno deste tempo, como microondas, fogão, lavadora e tanquinho. Tem alguns produtos que o ciclo de compra coincide com a redução do IPI.” 

Tudo o que sabemos sobre:
Black Fridaycomércio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.