Eletronorte vai sem parceiros ao leilão do Madeira

Em um movimento que surpreendeu o mercado, a estatal Eletronorte decidiu entrar sozinha no leilão da usina hidrelétrica de Santo Antônio, no Rio Madeira, marcado para 10 de dezembro. Com isso, está aberta a possibilidade de a obra - a mais importante do governo Lula na área energética - ser feita à moda antiga, ou seja, apenas pela mão do governo.Até agora, estava previsto que a Eletronorte, subsidiária do Sistema Eletrobrás, entrasse no leilão no consórcio liderado pela Alusa. Isso, porém, acabou não se confirmando. A Alusa formou um grupo 100% privado para entrar na disputa e a estatal se inscreveu para participar sozinha.A assessoria de imprensa da Eletronorte limitou-se a dizer ontem que a decisão da empresa foi tomada ?no último momento? e por ?motivos estratégicos?. Procurada, a Alusa não quis comentar. Também o ministro interino de Minas e Energia, Nelson Hubner, avisou ontem que não falaria sobre a decisão da estatal. Ao todo, cinco grupos se inscreveram para o leilão. Além da Eletronorte, sozinha, e do consórcio liderado pela Alusa, estão credenciados os consórcios liderados por Odebrecht/Furnas, Suez/Eletrosul e o consórcio montado pela Camargo Corrêa com a Chesf. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.