Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Eletros: taxa de financiamento pode subir

A taxa de financiamento de pessoa física deverá saltar de 70% ao ano para um patamar de 75% com a elevação da taxa básica de juros ontem pelo Copom de 1,5 ponto percentual, elevando a taxa de 16,75% ao ano para 18,25%. A estimativa foi feita hoje por Paulo Saab, presidente da Eletros, entidade que congrega os fabricantes brasileiros eletroeletrônicos. A elevação do patamar da taxa de financiamento da pessoa física para 75% significará que a taxa ficará 12 vezes maior que a inflação de 6% prevista para este ano. A alta da Selic, a taxa básica referencial de juros da economia, segundo Saab, poderá exercer mais um impacto negativo sobre as vendas do setor, que já recuaram 23,39% em maio relativamente a abril e 4,98% na comparação com o mesmo período do ano passado. "O consumidor que já estava cauteloso por causa do racionamento de energia e do próprio custo do crediário, tende a ficar ainda mais retraído, diante da elevação dos juros", afirma Saab. Ainda segundo o presidente da Eletros, "a alta é mais uma medida de intervenção em um mercado desequilibrado em que o governo está tendo dificuldades para controlar o dólar". Saab afirma que isso significará novo ônus para o setor eletroeletrônico, que já está sob o impacto do racionamento e da pressão de custos causada pela alta dos componentes importados.

Agencia Estado,

21 de junho de 2001 | 20h36

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.