Elo firma acordo com Discover para ser aceito no exterior

Anúncio oficial da parceria, após um processo de concorrência que envolveu entre cinco e seis players, está programado para a semana que vem

Aline Bronzati, O Estado de S.Paulo

11 de agosto de 2015 | 02h01

A bandeira de cartões Elo, de Bradesco, Banco do Brasil e Caixa, firmou um acordo com a norte-americana Discover Card, proprietária da Diners Club, para começar a ser aceita internacionalmente, segundo fontes ouvidas pelo Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado. O anúncio oficial da parceria, após um processo de concorrência que envolveu entre cinco e seis players, está programado para a semana que vem.

No evento, para qual a imprensa já foi convocada, estarão presentes, além do presidente da Elo, Eduardo Chedid, diretores dos três bancos acionistas. Em nota, a empresa informa que o encontro, primeiramente marcado para o dia 20 de agosto, é para debater o crescimento da bandeira Elo. Não traz, porém, mais detalhes.

A Discover, criada nos anos 80 nos Estados Unidos, é uma das grandes bandeiras de cartões no mercado americano, atrás de Visa e MasterCard. A marca surgiu após a tradicional rede de loja de departamento Sears, Roebuck and Co. ter adquirido as empresas Dean Witter Reynolds Organization e Coldwell, Banker & Company, em uma tentativa de oferecer serviços financeiros aos seus consumidores. Em 2007, independente, a Dean Witter, Discover & Co. se fundiu com o Morgan Stanley Group e, no ano seguinte, adquiriu a divisão internacional da rede de cartões Diners Club, do Citibank. No Brasil, tanto a Cielo quanto a Rede (ex-Redecard) aceitam os cartões de crédito Discover.

Em recente entrevista à imprensa, o presidente da Elo havia dito que a aceitação internacional vai ajudar a bandeira, 100% brasileira, a ganhar preferência dos consumidores. "Estamos avaliando os possíveis parceiros e vamos divulgar um em breve", antecipou o executivo, na ocasião.

A Elo, com cerca de 68 milhões de cartões emitidos, é aceita hoje em 1,5 milhão de estabelecimentos comerciais. Seu market share atual é de cerca de 7% e a meta é alcançar 15% até 2016. Procurada, a empresa informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que não comenta o tema.

Tudo o que sabemos sobre:
O Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.