José Cruz/ Agência Brasil
José Cruz/ Agência Brasil

Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Em 13 horas, Ministério da Economia dá versões desencontradas sobre nova liberação do FGTS

Após indas e vindas, Waldery Rodrigues, secretário especial da Fazenda, disse que medida ainda está sendo analisada pela equipe de governo

Redação, O Estado de S. Paulo

13 de março de 2020 | 11h44

BRASÍLIA - Vai ter uma nova rodada de saques do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) como resposta à crise provocada pelo avanço do novo coronavírus? Em 13 horas, o Ministério da Economia afirmou que a medida está em estudo, negou e voltou a dizer que sim.

Na última quinta-feira, 12, às 20h38, o secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues, admitiu que o grupo estuda uma nova liberação imediata de parte do FGTS para os trabalhadores.

No ano passado, os cotistas puderam retirar R$ 500 de cada uma de suas contas - ou até um salário mínimo caso o saldo estivesse dentro desse valor. Waldery não disse qual valor poderia ser liberado, mas garantiu que a diretriz é preservar a sustentabilidade do fundo, que serve de fonte de financiamento para crédito no setor imobiliário.  "É sim uma medida que estamos analisando, respeitando a sustentabilidade do fundo e o dinheiro dos cotistas", disse Waldery a jornalistas.

No entanto, às 22h22, o Ministério da Economia afirmou, em nota, que "não está sendo estudado um novo saque imediato do FGTS".

Hoje, ao chegar ao Ministério da Economia, o ministro Paulo Guedes, às 9h47, contradisse a assessoria de comunicação da pasta e não descartou a possibilidade de novas liberações do FGTS. Questionado sobre a possibilidade, Guedes afirmou: "estamos examinando isso tudo", mas não deu mais detalhes sobre o assunto.

As declarações de Paulo Guedes aconteceram antes de reunião com os presidentes do Banco do Brasil, Rubem Novaes, e da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães. Na última quarta-feira, 11, o ministro já havia dito que os bancos públicos aumentariam a oferta de crédito para combater os efeitos do coronavírus na economia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.