finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Em 16ª revisão seguida para baixo, mercado aposta em crescimento do PIB de 0,33% no ano

Para 2015, a taxa mediana da Focus também recuou, passando de 1,10% para 1,04%

Célia Froufe, O Estado de S. Paulo

15 de setembro de 2014 | 08h30

BRASÍLIA - A mediana das expectativas para o Produto Interno Bruto (PIB) de 2014 não para de cair como mostrou o Relatório de Mercado Focus, divulgado pelo Banco Central. E também contamina a perspectiva dos economistas para 2015. 

Pelo documento, a economia brasileira crescerá apenas 0,33% este ano ante projeção anterior de avanço de 0,48% e de expansão de 0,79% esperada um mês atrás. Esta é a 16ª semana consecutiva em que o mercado revisa suas planilhas para baixo. Para 2015, a taxa mediana da Focus também recuou, passando de 1,10% para 1,04%. Quatro semanas antes, a estimativa de crescimento para o próximo ano estava em 1,20%.

As mudanças ocorreram mesmo com a parada nas correções que o mercado fez esta semana em relação ao desempenho negativo da indústria. Conforme a pesquisa, o setor manufatureiro terá retração de 1,98% este ano, como já era esperado na semana passada. 

Vale lembrar que um mês antes, a expectativa era de uma diminuição da atividade da ordem de 1,76%. Para 2015, a previsão é de recuperação do setor, que deve ter expansão de 1,50% - mesma taxa do documento anterior. Há um mês, a mediana estava em 1,70%. Há quase um mês, o IBGE divulgou que o PIB recuou 0,60% no segundo trimestre do ano e revisou para pior do número dos primeiros três meses do ano.

Os analistas também mantiveram suas estimativas para o indicador que mede a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB em 2014. A Focus de hoje aponta uma mediana de 35,00% ante taxa de 34,89% de um mês atrás. Para 2015, a mediana subiu de 35,04% para 35,30%.

Inflação. O Relatório Focus revelou que as projeções para o IPCA ficaram congeladas em 6,29% tanto para o final deste ano quanto para o fim de 2015. Há um mês, conforme o documento divulgado há pouco, as estimativas para esse índice eram de 6,25% também nos dois casos. Já a previsão suavizada para o IPCA para os 12 meses à frente subiu de 6,24% para 6,28% - quatro semanas atrás estava em 6,21%. 

Nas estimativas do grupo dos analistas consultados que mais acertam as projeções, o chamado Top 5 da pesquisa Focus, a previsão para o IPCA em 2014 no cenário de médio prazo também não sofreu alterações, ficando em 6,28% para o final deste ano e em 6,40% ao fim de 2015. Um mês atrás, a mediana das previsões para o IPCA eram, respectivamente, de 6,32% e 6,48%. 

Para o curto prazo, tampouco houve ajustes na pesquisa, com a mediana das estimativas para o IPCA de setembro estacionada em 0,40% - também mesma taxa vista quatro semanas antes. No caso de outubro, o ponto central da pesquisa ficou parado em 0,49% ante 0,50% de um mês atrás. 

Dólar. Ao contrário do movimento de alta que se viu nas mesas de operação do mercado financeiro nos últimos dias, o Relatório de Mercado Focus prevê uma cotação menor para o dólar tanto ao final deste quanto do próximo ano. Pela segunda vez consecutiva, a mediana para dezembro de 2014 caiu e agora está em R$ 2,30. No levantamento anterior, a mediana era de R$ 2,33 e, há um mês, estava em R$ 2,35.

Movimento semelhante apresentou a mediana da pesquisa para o dólar ao final de 2015. A taxa da Focus de hoje é de R$ 2,45 ante R$ 2,49 da pesquisa anterior e de R$ 2,50 do levantamento realizado há um mês.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.