Renato Cerqueira/Futura Press
Painel da Bolsa de Valores de São Paulo, B3 Renato Cerqueira/Futura Press

Em 43 pregões, fuga de capital estrangeiro da Bolsa em 2020 já supera o ano de 2019

Estrangeiros tiraram R$ 44,798 bilhões em 2020; não há registro de entradas desde 10 de fevereiro

Fabiana Holtz e Matheus Piovesana, O Estado de S.Paulo

06 de março de 2020 | 17h07

Em apenas 43 pregões neste ano a saída de investidores estrangeiros da B3 alcançou R$ 44,798 bilhões, superando o saldo negativo recorde do 2019, de R$ 44,517 bilhões. A marca foi batida na última quarta-feira, dia 4. Não há registro de entradas desde 10 de fevereiro.

O movimento de retirada, que vinha se fortalecendo em janeiro, ganhou força ao longo de fevereiro diante da crescente preocupação sobre o impacto da expansão do surto de coronavírus na economia global.

Em 26 de fevereiro, o Instituto Adolfo Lutz confirmou o primeiro teste positivo para o novo coronavírus no Brasil. Na ocasião foi registrada a saída diária histórica de R$ 3,068 bilhões.

No âmbito internacional, nos dias 24 e 25 - enquanto o mercado brasileiro não registrava negócios em razão do feriado de Carnaval - notícias alarmantes sobre a expansão do coronavírus principalmente vindas da Itália testaram os limites de aversão a risco do mercado de ações em todo o mundo. Desde então, as retiradas na bolsa brasileira já somam R$ 11,9 bilhões.

De acordo com o Ministério da Saúde, o Brasil já tem 13 casos confirmados de coronavírus. Dez destes casos estão no Estado de São Paulo. Ao todo, são 768 casos suspeitos da doença no País.

O montante inclui ainda saques expressivos de R$ 2,706 bilhões (no dia 27), R$ 2,513 bilhões (dia 28), R$ 2,176 bilhões (dia 02), R$ 1,297 bilhão (dia 03) e R$ 1,195 bilhão (dia 04).

No quadro doméstico, vale ressaltar ainda a decepção generalizada com crescimento baixo do Brasil no primeiro ano do governo Jair Bolsonaro. Em 2019, a expansão do PIB foi de 1,1% ante o 1,3% de 2018 e 2017.

Mercado maior

Os volumes de saída maiores que a média histórica acontecem em um mercado com giro financeiro também maior. Em 2008, ano do estouro da crise financeira mundial, o dia de maior retirada foi 2 de dezembro, quando saíram R$ 2,672 bilhões. Naquele ano, a retirada foi de R$ 24,629 bilhões.

Naquele dia, o Ibovespa fechou em alta de 0,75%, aos 35.000,34 pontos, com giro financeiro de R$ 6,614 bilhões, impulsionado pelas Ofertas Públicas de Aquisição (OPAs) da Anglo Ferrous Brazil e da Petroquímica União, que, juntas, movimentaram R$ 3,444 bilhões. Atualizado pelo IPCA, o giro daquele dia foi de R$ 12,273 bilhões.

Em 2020, o dia de maior saída foi 26 de fevereiro, o "Corona day", quando os estrangeiros retiraram R$ 3,068 bilhões do mercado acionário brasileiro. Naquela quarta-feira, o Ibovespa caiu 7%, e fechou o dia nos 105.718,29 pontos. O giro financeiro foi de R$ 33,1 bilhões, também elevado em relação à média, mas desta vez por conta do ajuste após o feriado de Carnaval, que manteve a Bolsa de São Paulo fechada em um momento de tensão nos mercados internacionais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Dólar fecha em queda de 0,38%

Moeda americana começou em alta e perdeu força depois de intervenção no Banco Central; Bolsa brasileira tem forte queda em meio ao temor global com coronavírus e encerra aos 97.996,77 pontos

Luís Eduardo Leal e Altamiro Silva Junior, O Estado de S.Paulo

06 de março de 2020 | 10h23
Atualizado 06 de março de 2020 | 19h06

O Ibovespa sucumbiu a forte correção pela segunda sessão seguida e fechou nesta sexta-feira, 6, em queda de 4,14%, aos 97.996,77 pontos, no menor nível desde 27 de agosto de 2019 (quando estava em 97.276,19). Foi também a primeira vez desde 8 de outubro que o Ibovespa fechou abaixo de 100 mil pontos (na ocasião, encerrou aos 99.981,40 pontos). 

 

As perdas nesta primeira semana de março ficaram em 5,93%, após queda de 8,37% ao longo da semana anterior, que havia sido a pior desde agosto de 2011. Agora, no ano, o principal índice da B3 cede 15,26%.

 

Pelo segundo dia, o Ibovespa registrou perdas mais amplas do que Nova York, onde os três índices apontavam no fechamento de hoje ajustes negativos de até 1,87%, o que contribuiu para o Ibovespa se afastar das mínimas da sessão, que se renovavam após as 17h.

 

Apenas nove ações do Ibovespa conseguiram sustentar alta nesta sexta-feira, parte das quais entre as mais pressionadas nas últimas sessões: CVC (+14,40%), IRB (+2,50%), Gol (+1,94%) e Azul (+1,12%). No dia anterior, nenhuma ação do Ibovespa havia subido, com a pressão de vendas generalizadas que se impôs no fim da sessão após a confirmação dos primeiros casos de transmissão local do coronavírus no Brasil. O giro financeiro, elevado, totalizou R$ 39,9 bilhões na sessão.

Dólar 

O dólar interrompeu nesta sexta uma sequência de 12 altas consecutivas e fechou em baixa de 0,38% no mercado à vista, a R$ 4,6338. No acumulado da semana, porém, a moeda dos Estados Unidos subiu 3,5%, registrando a pior semana desde o início de novembro do ano passado, em meio a renovadas preocupações com os efeitos do coronavírus na atividade, que provocou forte movimento de aversão a risco no mercado financeiro mundial e fez o dólar subir forte nos mercados emergentes. 

 

O BC começou o dia injetando mais US$ 2 bilhões no mercado cambial hoje, por meio de leilão extraordinário de swap (venda de dólares no mercado futuro), o que impediu uma disparada maior da moeda, segundo operadores. Desde a volta do feriado de carnaval, o total das intervenções do BC já somou US$ 7,5 bilhões - US$ 5 bilhões somente nesta semana. 

 

No início da noite, o Banco Central anunciou outro leilão de dólar à vista para segunda-feira, de até US$ 1 bilhão, o primeiro do tipo na atual disparada da moeda americana. 

 

No exterior, o dólar repetiu nesta sexta o que ocorreu nos últimos dias, se fortalecendo bastante ante moedas emergentes e perdendo valor nos países desenvolvidos, o que evidencia um típico movimento de fuga do risco. A divisa subiu 1,47% na Rússia, 1,63% no México e 1,39% na Colômbia, movimento também ajudado pelo petróleo, que despencou 10% no mercado futuro em Londres e Nova York. O rendimento (yield) do título de 10 anos do Tesouro americano caiu para inéditos 0,7%. 

 

Já ante moedas como euro e iene, o dólar atingiu mínimas em um ano, de acordo com o comportamento do índice DXY.

 

Neste ambiente de incerteza, investidores estrangeiros fizeram forte movimento no mercado futuro ontem, dia que o dólar bateu em R$ 4,67, e elevaram posições "compradas" (que ganham com a alta da moeda americana) em US$ 3 bilhões somente na quinta-feira, de acordo com dados da B3 compilados pela corretora Renascença.

 

Nesta sexta, o volume de negócios no mercado futuro seguiu forte, somando US$ 26 bilhões, o que indica que a mudança das posições prosseguiu hoje. O dólar futuro para abril fechou em alta de 0,39%, a R$ 4,6340.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.