Em 5 anos, Royal Enfield passa de desconhecida para protagonista do mercado de motocicletas
Conteúdo Patrocinado

Em 5 anos, Royal Enfield passa de desconhecida para protagonista do mercado de motocicletas

Fabricante de motocicletas de origem britânica já ocupa 6º lugar no ranking de vendas em 2022; Royal Enfield SP já tem duas lojas e quer expandir a marca no Brasil

Royal Enfield SP, Estadão Blue Studio
Conteúdo de responsabilidade do anunciante

27 de abril de 2022 | 08h00

Quando a Royal Enfield abriu sua primeira concessionária na capital paulista, em 2017, a marca de origem britânica ainda era pouco conhecida no País, mas já trazia na bagagem mais de um século produzindo motocicletas. “Foi um grande desafio. Apostamos em uma marca até então desconhecida no Brasil, mas com muita tradição na produção de motos com visual clássico, dos anos de 1950, porém com mecânica moderna e confiável”, relembra Raul Fernandes Jr., sócio-diretor do 2W Motors, grupo que comanda as duas concessionárias Royal Enfield SP, na cidade de São Paulo.

Hoje, cinco anos depois, tanto a Royal Enfield como a concessionária paulistana comemoram a data com a sexta posição no ranking de vendas de motos neste ano, com mais de 1.800 unidades emplacadas, superando marcas mais tradicionais no mercado brasileiro de motocicletas. Destaque para a Meteor 350, modelo lançado em meados do ano passado e que já lidera o segmento de motos custom, com 750 unidades vendidas.

“Quando começamos, alguns clientes não acreditavam na consolidação da marca no País e foram comprar a primeira moto um ano depois. Hoje, queremos agradecer a todos os clientes que acreditaram no nosso trabalho, desde o início da operação, até quando conseguimos ampliar nossa participação no mercado. Sem a confiança deles isso não seria possível”, agradece Fernandes Jr., que também preside a Associação dos Revendedores Royal Enfield do Brasil (AssoRoyal). Atualmente, a marca conta com 20 revendedores em 14 Estados brasileiros.

Especializado no mercado de duas rodas, o grupo 2W Motors investiu bastante em eventos de relacionamento para atrair o motociclista que aprecia uma moto clássica com concepção moderna, como são os modelos da Royal Enfield. “Levamos a marca para diversos encontros de motos clássicas e também organizamos passeios para fidelizar o cliente”, comenta o empresário.

O investimento deu frutos. Em 2020, em plena pandemia, o grupo abriu uma segunda loja com mais de 500 metros quadrados, uma das maiores da marca na América Latina, na zona Leste da capital paulista – a primeira localiza-se no bairro de Moema. Paralelamente, inaugurou uma oficina exclusiva da Royal Enfield, com mais de mil metros quadrados, no bairro de Moema, para oferecer mais comodidade, triplicando assim a área de atendimento aos clientes. “De nada adianta expandir sem oferecer um serviço de qualidade ao consumidor”, observa Raul Fernandes Jr.

Evolução da marca

Uma das marcas de motocicletas que mais cresce no mundo, apostando principalmente no mercado de média cilindrada, entre 250 cc e 750 cc, a Royal Enfield também investiu em produtos novos e de alto nível. Quando desembarcou por aqui, o portfólio tinha apenas três modelos. De lá para cá, a fabricante – atualmente controlada pelo grupo indiano Eicher Motors – apresentou outras quatro novas motos, com desempenho e acabamento de alto nível.

A primeira delas foi a Himalayan 410, uma moto trail que, desde seu lançamento em 2019, tem agradado os brasileiros pela beleza clássica e também pelo custo-benefício, e é o quarto modelo mais vendido da categoria Maxtrail.

Ainda antes da pandemia, surgiram os dois modelos Twin, Interceptor e Continental GT, com motores de dois cilindros e 650 cc. “São produtos com excelente acabamento, motor de 47 cavalos de potência, ou seja, bom desempenho, mas ainda assim acessíveis ao público”, explica Raul Fernandes Jr. Os modelos custam entre R$ 28 mil e R$ 31 mil.

No segundo semestre de 2021, foi a vez da Meteor 350 desembarcar no Brasil. A moto custom demonstra a contínua evolução da Royal Enfield, em termos de acabamento e tecnologia. Além de um motor totalmente novo, com menos vibração e melhor desempenho, o modelo ainda traz freios ABS nas duas rodas de série e o Tripper, sistema de navegação curva a curva conectado por Bluetooth ao smartphone. “Foi outro passo importante para a consolidação da marca no mercado brasileiro e mundial. Além da alta qualidade da construção da moto, a Meteor reina sozinha no nicho das custom de média cilindrada e ainda é acessível”, completa Raul Fernandes Jr.

De acordo com o empresário, a Meteor 350 atualmente é o modelo de maior procura nas concessionárias Royal Enfield SP, mas a demanda ainda é maior que a oferta, pois, assim como outras fabricantes, a marca indiana sofre com a falta de componentes e com a crise logística gerada pela pandemia de covid-19. “Se tivéssemos mais motos, venderíamos mais”, diz Raul Fernandes Jr., admitindo a intenção de abrir uma terceira loja na capital paulista.

Para consolidar sua presença no Brasil e reforçar o compromisso de longo prazo com o mercado nacional de motocicletas, a subsidiária brasileira também afirmou, por meio de comunicado, que a montagem das motos Royal Enfield em Manaus (AM) deve se iniciar em breve. A produção local deve aumentar a capacidade da marca de atender à crescente demanda pelas motos Royal Enfield com mais agilidade. Atualmente, os modelos são importados da Índia.

Modelos Royal Enfield

Atualmente, a marca de origem britânica e hoje controlada pelos indianos comercializa quatro modelos no Brasil; conheça.

Meteor 350

Única custom de média cilindrada à venda no Brasil, a Meteor 350 traz um moderno motor de um cilindro, 21 cv de potência, com visual clássico. Oferece agilidade para o uso urbano, além de conforto e desempenho para viajar. Vendida em três versões e diversas opções de cores, a Meteor 350 parte de R$ 19.990 + frete.

Himalayan 410

Com visual retrô, a trail Himalayan 410 se destaca pela simplicidade mecânica do motor de um cilindro e também pela robustez do seu chassi e das suspensões de longo curso, para enfrentar qualquer caminho. Comercializada em diversas opções de cores, a Himalayan é vendida por R$ 21.690 + frete.

Interceptor 650

Inspirada em um modelo dos anos de 1960, a Interceptor, porém, traz o novo motor de dois cilindros em 650 cc desenvolvido no centro técnico da marca na Inglaterra. Com posição de pilotagem confortável e o bom desempenho do seu bicilíndrico de 47 cv de potência, a naked clássica é vendida a partir de R$ 27.990 + frete.

Continental GT 650

Com a mesma base mecânica da Interceptor, mas com o estilo das motos Cafe Racer, nascidas na Inglaterra, a Continental GT traz uma posição de pilotagem mais esportiva, com semiguidões e pedaleira recuada. Feita para quem procura uma clássica com uma pitada de esportividade, a Continental GT parte de R$ 28.990 + frete.  

Para saber mais sobre os modelos e também sobre as facilidades de aquisição, acesse o site www.royalenfieldsp.com.br/.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.