Em 6 meses, 403 mil paulistanos usaram portabilidade numérica

Segundo a ABR Telecom, 62% dos pedidos de migração são entre assinantes de celulares, e 38%, de fixos

Gerusa Marques, da Agência Estado,

03 de setembro de 2009 | 17h10

Nos seis meses de vigência da portabilidade numérica na Região Metropolitana de São Paulo, que usa o DDD 11, mais de 403 mil clientes da telefonia fixa e celular pediram para continuar usando o mesmo número telefônico ao mudar de operadora. Segundo balanço divulgado nesta quinta-feira, 3, pela ABR Telecom - entidade que administra a portabilidade no Brasil -, 306,5 mil pessoas da região atendida pelo DDD 11 migraram para outra operadora.

 

A cidade de São Paulo e outros 63 municípios atendidos pelo DDD 11 integraram a última etapa de implantação da portabilidade no País, concluída em março deste ano. Na última etapa, foram atendidas as regiões que utilizam os DDDs 53 (RS), 64 (GO), 66 (MT) e 91 (PA). Nesses cinco DDDs, incluindo o 11, mais de 448 mil pedidos de migração foram feitos e, desse total, 341 mil foram atendidos nos últimos seis meses.

 

Na Região Metropolitana de São Paulo, 62% dos pedidos de migração são entre assinantes de celulares, e 38%, de telefones fixos. A portabilidade começou a ser implantada no País em setembro do ano passado. No período de um ano, 2,82 milhões de pessoas pediram para fazer a migração, e 2,13 milhões mudaram de operadora.

 

A portabilidade deve ser pedida pelo usuário à operadora para a qual ele deseja migrar, e a transferência só pode ser feita dentro da mesma modalidade de serviço: de celular para celular e de fixo para fixo. Pelas regras, o pedido tem que ser atendido em até cinco dias úteis.

Tudo o que sabemos sobre:
telefoniaportabilidadeSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.