Em 8 anos, quase metade das empresas criadas no País fecha

Segundo estudo do IBGE, entre as empresas criadas em 1997, só 51,6% permaneciam em atividade em 2005

Jacqueline Farid, da Agência Estado,

29 de novembro de 2007 | 10h19

Das 738 mil empresas criadas no Brasil em 1997, apenas pouco mais da metade, ou 51,6%, permaneciam em atividade oito anos depois, em 2005, segundo mostra a pesquisa Demografia das Empresas, divulgada nesta quinta-feira, 29, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O levantamento mostra que um ano após o nascimento, em 1998, 81% das empresas criadas em 1997 sobreviviam. Esse porcentual caiu para 72,8% após dois anos de vida (1999) e para 61,8% após cinco anos de vida (2002). O analista da pesquisa, Roberto Sant'Anna, observou que as menores taxas de sobrevivência são observadas nas empresas com até quatro pessoas ocupadas. Nessa faixa de ocupação, apenas 50,4% das empresas criadas em 1997 tinham sobrevivido até 2005. Na faixa de 5 a 99 pessoas ocupadas o porcentual de empresas sobreviventes no período foi maior (63,7%) e, para 100 pessoas ocupadas ou mais, chegou a 66,5%. Desde 2000 o IBGE analisa a demografia das empresas, dentro das estatísticas do Cadastro Central de Empresas (Cempre), mas é a primeira vez que o instituto realiza um estudo exclusivo sobre o assunto. Sant'Anna disse que a iniciativa atende à demanda dos usuários dos dados do Cadastro. A demografia de empresas investiga o fluxo de entrada e saída de empresas do mercado, a criação e extinção de negócios. O universo do Cempre de 2005, no qual foi baseada a pesquisa divulgada hoje, é de 5,7 milhões de empresas. Desse total, foram excluídas as empresas públicas e organizações sindicais e abordadas, nessa pesquisa, 5,094 milhões de empresas.  Comércio O setor de comércio é o que mais cria empresas, mas também apresenta o maior número de extinções, segundo mostra a pesquisa. Em 2005, foram criadas 791,8 mil empresas no País em todos os setores, o que representa uma taxa de entrada (porcentual de empresas criadas em relação ao número de empresas existentes em 2004) de 16,3%. No mesmo ano, foram extintas 544 mil empresas, com uma taxa de saída (porcentual de empresas extintas em relação ao número de empresas existentes em 2004) de 11,2%. Do total de empresas criadas em 2005, mais da metade (53,1%) estavam no comércio que também tinha a maior parte (56,0%) do total de empresas extintas naquele ano. No caso da indústria de transformação a fatia era bem menor, de 8,8% das empresas criadas e 9,0% das extintas. Sant'Anna disse que o comércio tradicionalmente lidera a demografia das empresas, já que costuma ser mais fácil, em termos de investimentos e tecnologia, abrir uma pequena loja do que uma fábrica. Idade Apenas 2,9% das 5,094 milhões de empresas brasileiras investigadas em 2005 tinham mais de 30 anos de idade. A maior parte (62,5%) estava no mercado há menos de 10 anos e 42,1% das empresas tinham sido criadas há menos de 5 anos. Entre os setores, o comércio participa com 53,4% do total de empresas com 30 anos ou mais de fundação. Em segundo lugar está a indústria, setor que responde por 17,7% do total de empresas com idade acima de 30 anos, seguido pelo segmento de alojamento e alimentação (8,11% do total de empresas).

Tudo o que sabemos sobre:
Empresas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.