Em artigo, Obama enfatiza importância de aprovação do pacote

Texto publicado no 'The Washington Post' traz novo pedido do presidente dos EUA para acelerar aprovação

Associated Press,

05 de fevereiro de 2009 | 14h12

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, advertiu nesta quinta-feira, 5, que a demora para se aprovar um pacote de recuperação econômica poderia levar o país a uma recessão duradoura que pode ser irreversível. O artigo publicado por Obama no jornal The Washington Post foi mais um pedido para que o Congresso aja rápido para conter a crise. Veja também:De olho nos sintomas da crise econômica Dicionário da crise Lições de 29Como o mundo reage à crise O presidente argumenta que, a cada dia de demora para se aprovar o pacote, mais norte-americanos perdem seus empregos, suas economias e também as residências. A mensagem é divulgada enquanto os líderes congressistas lutam para controlar o grande pacote de estímulo, que tem crescido a cada dia no Senado. O acréscimo de uma nova renúncia fiscal para pessoas que compraram casas na quarta-feira levou o pacote a passar dos US$ 900 bilhões. Os líderes democratas no Senado gostariam de passar o texto até a sexta-feira, no máximo. Porém a tendência é que haja uma série de reduções de gasto no projeto, para convencer congressistas do centro democratas e republicanos. Obama delineou um cenário sombrio, caso os parlamentares não ajam. "Essa recessão pode se estender por anos. Nossa economia perderá cinco milhões de empregos. O desemprego se aproximará dos dois dígitos. Nossa nação se afundará mais na crise até que, em algum momento, nós podemos não ser capazes de reverter", escreveu Obama, no texto intitulado "A ação de que os norte-americanos precisam". O presidente rejeitou o argumento segundo o qual mais cortes de impostos são necessários no plano e que medidas fragmentadas seriam suficientes. "Eu rejeito essas teorias, e também o povo norte-americano quando foi às urnas em novembro e voltou claramente por mudança." A Câmara dos Representantes aprovou sua versão do pacote na semana passada. As discussões no Senado ocorrem em meio ao anúncio de que o número de pedidos de seguro-desemprego nos EUAchegou a 626 mil na última semana do mês passado. O número é o maior registrado na série em 26 anos, segundo o Departamento de Trabalho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.