Beto Nociti/Banco Central
Beto Nociti/Banco Central

Em ata, BC defende corte maior na Selic

Autoridade monetária afirmou que a evolução do cenário recente da economia - com inflação em baixa - abria espaço para maior flexibilização da taxa básica de juros

Fabrício de Castro, Eduardo Rodrigues e Fernando Nakagawa, Broadcast

17 de janeiro de 2017 | 11h59

BRASÍLIA - O Banco Central fez nesta terça-feira, 17, na ata do último encontro do Comitê de Política Monetária (Copom), uma defesa de sua comunicação e de sua decisão de intensificar a redução da Selic (os juros básicos da economia). Ao justificar o corte da taxa de 13,75% para 13,00% ao ano - e não para 13,25%, como esperava a maior parte do mercado -, o BC afirmou que a evolução do cenário recente abria espaço para maior flexibilização.

"Essa decisão contribuiria desde já para o processo de estabilização e posterior retomada da atividade econômica, sem que isso exigisse desvio em relação ao objetivo de levar a inflação para a meta de 4,5% em 2017 e 2018", afirmaram os diretores da instituição, na ata. "Os membros do Comitê julgaram, também, que essa decisão era compatível com sua comunicação, que favorece explicitar condicionalidades econômicas sobre a evolução da política monetária, o que melhor transmite a racionalidade econômica que guia as suas decisões."

De acordo com o BC, os números mais recentes da economia, divulgados após a reunião anterior do Copom (de 30 de novembro) e depois do Relatório Trimestral de Inflação (cuja data de referência foi 9 de dezembro), permitiam uma redução maior da Selic. Cabia ao mercado financeiro se ajustar. "O caráter condicional de sua comunicação sobre a condução da política monetária permite aos agentes econômicos ajustar suas expectativas com base em tais evidências", defendeu o BC.

Na visão de parte do mercado financeiro, a decisão do Copom na semana passada foi, de fato, justificada pelos números da economia, que mostravam a atividade mais fraca que o esperado e índices de inflação mais acomodados. No entanto, surgiram críticas quanto à comunicação do BC, que não teria conduzido as expectativas de forma adequada. 

"O Comitê avaliou que as condições para reduzir a taxa básica de juros para 13% já nesta reunião estavam presentes em função do processo de desinflação mais disseminada e atividade econômica aquém do esperado, em ambiente com expectativas de inflação ancoradas", registrou o colegiado na ata. 

Para a próxima reunião, marcada para 21 e 22 de fevereiro, o ritmo de cortes da Selic continuará dependendo, de acordo com o BC, "das projeções e expectativas de inflação e da evolução dos fatores de risco". 

Entre os riscos, o BC cita a inflação da área de serviços, que "requer atenção contínua", e as reformas fiscais, cujo processo "é longo e envolve incertezas". Além disso, chama atenção para o fim do interregno benigno para as economias emergentes, que "pode produzir efeitos que dificultem o processo de desinflação". No mercado financeiro, a expectativa majoritária atualmente é de que o BC promova novo corte de 0,75 ponto porcentual da Selic em fevereiro. 

Tudo o que sabemos sobre:
Banco CentralCopomSelic

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.