EM BELO HORIZONTE, BIOTECNOLOGIA BUSCA O CAMINHO DO LUCRO

Empresas em incubadora na capital mineira tentam levar para o mercado o resultado de anos de pesquisa nos laboratórios das universidades

RENATO CRUZ / TEXTOS, FOTOS, ENVIADO ESPECIAL , BELO HORIZONTE, RECIFE, O Estado de S.Paulo

22 de janeiro de 2012 | 03h09

O Brasil descarta 4 bilhões de litros de soro de leite por ano. Usada em vários produtos de nutrição clínica e esportiva, a proteína de soro de leite, um derivado do produto descartado, não é produzida no País. Tudo o que é consumido localmente é importado.

Criada em 2006 por três pesquisadores e uma professora da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), a Edetec desenvolveu uma tecnologia para a fabricação dessa proteína, e ainda sem o sabor amargo que costuma caracterizar o produto importado. "Estamos negociando parceria com um laticínio", conta Wendel Afonso, um dos fundadores da Edetec.

A empresa conseguiu um investimento de R$ 1,5 milhão do Criatec, fundo do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), e busca um montante parecido de um laticínio, para colocar a fábrica para funcionar. Os sócios de Afonso são os pesquisadores Carlos Lopes Junior e Viviane Silva e a professora Marialice Silvestre.

A tecnologia usada pela Edetec tem como base mais de 30 anos de pesquisas da professora Marialice. A empresa licenciou uma patente da universidade. A "whey protein" dos suplementos alimentares para quem faz fisiculturismo é a proteína do soro do leite. Na área de nutrição clínica, essa proteína é usada na fabricação de leite PKU (sigla em inglês da doença genética fenilcetonúria). Quem tem fenilcetonúria não pode comer alimentos ricos em fenilalanina (como carnes, leite e ovos), pois sua ingestão acaba causando danos ao cérebro do doente. Para evitar isso, o leite PKU substitui o leite comum.

A Edetec é uma das empresas da incubadora Habitat, gerida pela Biominas Brasil. Criada em 1997, a Habitat tem uma infraestrutura preparada para receber empresas de biotecnologia. Um dos grandes desafios para empresas dessa área é ter suas instalações homologadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), processo que pode levar alguns anos. Como a incubadora já tem instalações preparadas, é mais fácil começar a trabalhar.

A Habitat ocupa um terreno de 9 mil metros quadrados, com 3 mil metros quadrados de área construída, em Belo Horizonte. Ela tem 34 salas para abrigar as empresas, um laboratório de uso compartilhado, uma central de lavagem e esterilização e duas câmaras frias, além de auditório e salas de reunião. A incubadora já apoiou 36 empresas, que, juntas, faturaram R$ 115 milhões durante o período de incubação e R$ 477 milhões depois de graduadas. Atualmente, tem 17 empresas incubadas. "Estamos preparando um novo edital para este ano", diz Ana Paula Santos, coordenadora da Habitat.

Outra incubada da Habitat é a In Vitro Cells, fundada pelo professor de toxicologia Carlos Tagliati e pela professora de bioquímica Miriam Marins Chaves, da UFMG. A empresa faz testes in vitro (que não são feitos em seres vivos) de remédios e de cosméticos. Assim como a Edetec, a In Vitro Cells recebeu um investimento do fundo Criatec. "A empresa de biotecnologia depende de subvenção", disse Tagliati. "Ela começa a se sustentar depois de cinco anos de existência", aponta Miriam. A empresa começou a ser criada em 2007, quando foi elaborado o plano de negócios.

Ao lado de São Paulo, Minas Gerais é o Estado que mais concentra empresas de biotecnologia, segundo estudo da Biominas Brasil e da PwC. O polo mineiro nasceu em 1975 com a criação da Biobrás, em Montes Claros, pelo professor Marcos Luiz dos Mares Guia, da UFMG. Em 2000, a empresa recebeu a primeira patente internacional de insulina, uma das quatro que existem no mundo. A Biobrás chegou a ser a quarta maior fabricante mundial de insulina sintética, antes de ser vendida para a dinamarquesa Novo Nordisk, em 2002.

Computadores. Belo Horizonte também é um polo de engenharia e computação. As empresas de busca Miner e Akwan surgiram na UFMG. A primeira foi comprada pelo UOL e a segunda pelo Google, transformando-se no centro de pesquisas da gigante americana na América Latina (ver abaixo).

A Inova UFMG tem atualmente 11 empresas, entre incubadas e pré-incubadas. "Queremos atrair empresas com potencial de se tornar destaque nacional e internacional", afirma Hani Camille Yehia, coordenador da incubadora. Uma delas, a Isofitos, é da área de biotecnologia, e desenvolve um inibidor da multiplicação do vírus da dengue. Mas a maior parte é do setor de tecnologia da informação e energia.

No sul de Minas Gerais, está localizado um outro polo tecnológico. A cidade de Santa Rita do Sapucaí também é conhecida como Vale da Eletrônica. O polo se formou ao redor do Instituto Nacional de Telecomunicações (Inatel). Sua origem remonta à década de 1930. A embaixatriz Luzia Rennó Moreira, conhecida como Sinhá Moreira, acompanhou o início do processo de industrialização da sociedade japonesa naqueles anos. De volta a Santa Rita e inspirada pelo que conheceu em países da Ásia e da Europa, Sinhá Moreira criou, em 1959, a Escola Técnica de Eletrônica Francisco Moreira da Costa, pioneira na América Latina.

Para dar continuidade à formação dos alunos da escola técnica, foram fundados o Inatel, com o primeiro curso superior de telecomunicações no Brasil, e a Faculdade de Administração e Informática, em 1971. Na segunda metade da década de 70, surgiram as primeiras empresas de tecnologia da região. Em 2011, a japonesa Hitachi Kokusai comprou o controle da Linear, fabricante de transmissores de TV e maior empresa do Vale da Eletrônica, com cerca de 320 funcionários.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.