Andre Dusek / Estadão
Andre Dusek / Estadão

Em Brasília, deputados vão atrás de caronas em jatinhos

Parlamentares com avião próprio são assediados por colegas em Brasília

Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

24 Maio 2018 | 04h00

A greve dos caminhoneiros tornou deputados que têm aviões próprios bastante requisitados no Congresso. Temendo não conseguir voos para retornarem de Brasília para seus Estados nesta quarta-feira, 23, parlamentares se apressaram e, desde o início da manhã, tentavam garantir carona nos jatinhos dos colegas. 

+ Sem combustível, aeroportos correm risco de parar a partir de amanhã

“Realmente teve mais procura hoje mesmo”, conta o deputado federal João Gualberto (PSDB-BA), um dos que têm avião particular. Para evitar ficar sem combustível, o tucano mandou que sua aeronave, um jato executivo modelo Hawker 400, fosse abastecida ainda na terça-feira, mesmo dia em que chegou à capital federal. 

Dono de uma rede de supermercados, Gualberto previa decolar de Brasília rumo a Salvador na noite desta quarta-feira, 23, com todos os seis assentos preenchidos. Um dos que garantiram a carona foi o deputado Jutahy Magalhães (PSDB-BA). “Vou com ele. Falei para ele hoje cedo colocar combustível logo.”

+ Em Pernambuco, greve faz litro de gasolina chegar a R$ 8,99

Nos corredores do plenário da Câmara, deputados demonstravam preocupação. Em pré-campanha para as eleições de outubro deste ano, a maioria tem chegado à capital federal na terça-feira e retornado a seus redutos eleitorais já na noite de quarta-feira. “Ninguém sabe se vai sair de Brasília amanhã (hoje) por falta de combustível”, disse o deputado Ivan Valente (PSOL-SP).

+ 'Queremos saber de onde sairá dinheiro para redução do PIS/Cofins', diz Marun

A preocupação dos deputados tem motivo: a Inframerica, concessionária que administra o Aeroporto de Brasília, comunicou que a querosene de aviação no local era insuficiente para a manutenção regular das operações. Por isso, só estavam autorizados a pousar no terminal aeronaves com capacidade para decolar sem precisar de abastecimento. Segundo a Inframerica, a decisão foi tomada em conjunto com as companhias aéreas, empresas de fornecimento de combustível e órgãos responsáveis. 

Mais conteúdo sobre:
greve caminhoneiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.