JF Diorio/Estadão
JF Diorio/Estadão
Imagem Luiz Carlos Trabuco Cappi
Colunista
Luiz Carlos Trabuco Cappi
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Em busca de um novo lugar no mundo

Fórum Econômico Mundial mostrou que blocos econômicos terão de ser reorganizar e evitar a fragmentação

Luiz Carlos Trabuco Cappi, O Estado de S.Paulo

06 de junho de 2022 | 05h00

Aimportância da paz como pilar do crescimento econômico foi eixo das atenções de Davos, em meio à nostalgia da neve e do vento gelado.

A geopolítica marcou o Fórum Econômico Mundial. Os debates e muitas conversas deram-me a certeza de que os blocos econômicos terão de se reorganizar e evitar a fragmentação. Nesse processo, para o Brasil haverá riscos e oportunidades. O gatilho dessa disrupção é a Rússia. O “R” dos Brics caminha para o isolamento econômico.

A invasão da Ucrânia travou a oferta de alimentos ao mundo. Como o consumo permanece igual, ou é até crescente, será inevitável o rearranjo na cadeia de fornecedores. Com vantagens competitivas reconhecidas, o agronegócio brasileiro pode dar mais um salto comercial e de produtividade.

Apreendi em Davos que, nessa reorganização dos blocos, sobressai como conceito dominante a integração por proximidade. O campo do Brasil é a América Latina.

As longas cadeias comerciais surgidas com a globalização serão redesenhadas. Outra conclusão em Davos é que a oferta de energia está estrangulada com o fechamento das conexões do gás da Rússia para a Europa. Isso exige reflexão. Apesar dos discursos, anúncios e alguma efetividade na redução da dependência dos combustíveis fósseis, a guerra mostrou a realidade: a base funcional da sociedade ainda depende da extração do petróleo.

E aqui, de novo, o Brasil tem possibilidades. Por seu território e clima, capacidade industrial e tecnológica, viabiliza todas as fontes alternativas de energia do planeta, entre elas, hidrelétricas, eólicas, solares e, também, nucleares. Mais de 70% da produção nacional vem de fontes renováveis, a energia limpa. Um exemplo é o etanol. A conclusão é que o Brasil tem um razoável índice de segurança energética.

Lamento que os temas que deram tração ao Fórum antes da pandemia, como globalização, inovação, inclusão, igualdade de gênero e novas relações de trabalho, não tiveram a mesma atenção, apesar de ocuparem vários painéis. Diferentes mesas trataram do novo rol de habilidades para a adaptação do ser humano à inovação tecnológica. Esta já é uma tendência permanente, não mais transitória.

Para o Brasil, a mensagem é a de que o mundo mudou e traz novos desafios. É um tempo de transformações, e cabe a nós encontrarmos o nosso lugar. Podemos nos destacar ao adotar uma matriz energética renovável, transitar da exportação de commodities para bens de valor agregado e investir seriamente na inclusão sustentável de milhões de brasileiros no consumo de bens e serviços, ou seja, ampliar o mercado interno.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.