Imagem Luiz Carlos Trabuco Cappi
Colunista
Luiz Carlos Trabuco Cappi
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Em busca do consenso possível

A pandemia está nos dando muitas lições, entre as quais a importância da cooperação e da corresponsabilidade

Luiz Carlos Trabuco*, O Estado de S.Paulo

22 de junho de 2020 | 05h00

Passados mais de três meses do início da epidemia da covid-19 no Brasil já está bastante claro qual será o custo econômico que teremos de enfrentar neste e nos próximos anos. O déficit primário subirá para R$ 800 bilhões em razão dos gastos com os programas de combate ao coronavírus, segundo estimativa da Secretaria do Tesouro, bem mais do que o previsto no início de 2020. Como haverá necessidade de financiamento para conter esse déficit, a dívida pública deve aumentar. Analistas já preveem uma dívida próxima dos 100% do PIB.

Depois do achatamento da curva da pandemia, é o achatamento da curva dívida/PIB o principal desafio. Quanto mais achatada estiver essa curva, maior será a capacidade de voltarmos a crescer.

Já enfrentamos cenários difíceis e conseguimos superá-los. Foi assim com a inflação, a dívida externa e os juros. Para que o Brasil superasse esses desafios houve um fator em comum, que foi a criação de um ambiente favorável à construção do que eu chamo de estado do consenso possível. Trata-se de um acordo tácito que leva o governo, o Congresso, os partidos políticos, os empresários e os trabalhadores a convergirem em torno de uma agenda mínima a ser implantada. Acredito que o País está preparado para um acordo sobre como pagar essa conta, que chegará ao final da pandemia do novo coronavírus.

A premissa central desse acordo é deixar de lado a ideia de que existe um pacote mágico de medidas. Esse tempo já passou. Será preciso pactuar os interesses, respeitar as diferenças, identificar as prioridades com bom senso, mobilizar a sociedade sobre o que será preciso ser feito. As alternativas técnicas estão sobre a mesa, o caminho será resultado de diálogo político e convergência pragmática das ideias. As diferenças e divergências políticas não podem ser maiores que o sentimento de urgência para a volta do crescimento econômico, dos investimentos e da criação de empregos.

A equipe econômica dá um exemplo concreto na direção do consenso possível ao restabelecer, no Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), prioridade para a privatização ainda neste ano da Eletrobrás, Correios, Porto de Santos e Pré-Sal Petróleo S/A. Trata-se de uma informação importante, que pode dar tração à mudança de expectativas dos investidores – algo que tanto necessitamos.

Outra boa notícia vem do Congresso com o avanço do novo marco regulatório para o saneamento. Uma reforma tributária está amadurecendo, com sinalizações positivas do governo federal, de governadores, de líderes do Congresso e entidades do empresariado. É tema complexo, que exige negociações exaustivas, dedicação, paciência e tolerância de todas as partes envolvidas.

A reforma administrativa é outro exemplo de tema que deve ser encarado como prioridade. A iniciativa privada respondeu à crise da covid-19 com medidas gerenciais de aumento da eficiência. É com esse conceito que estamos conseguindo superar a brusca redução da atividade econômica. A reforma administrativa nada mais é que dotar o setor público de ferramentas para aumentar sua eficiência nesse momento de superação da crise.

Temos a nosso favor, para a retomada do crescimento econômico, juros básicos historicamente baixos. Além de um estímulo ao consumo, tão necessário para a indústria e o comércio, esses juros permitirão que pessoas e empresas se apoiem em mais crédito para a realização de projetos e invistam em novos negócios.

O que desejamos realmente é um Estado mais eficiente, moderno e que não perca de vista suas funções precípuas e compromissos com o bem-estar da sociedade. O maior deles, a responsabilidade fiscal, que é a base necessária para a reconstrução de uma economia melhor e mais justa.

A pandemia está nos dando muitas lições, entre as quais a importância da cooperação e da corresponsabilidade. Seu maior legado, porém, é a esperança de que dias melhores virão.

*PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DO BRADESCO. 

A PARTIR DE AGORA, PASSA A ESCREVER A CADA DUAS SEMANAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.