Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Em carta a Maia, ONGs ambientais dizem que marco do licenciamento traz 'retrocessos inaceitáveis'

O documento é assinado por Greenpeace, Observatório do Clima, WWF, Instituto Socioambiental (ISA) e SOS Mata Atlântica; tema tem sido debatido desde o ano passado na Câmara

André Borges, O Estado de S. Paulo

25 de agosto de 2020 | 18h48

BRASÍLIA – As principais organizações não governamentais que atuam no setor de meio ambiente enviaram uma carta nesta terça-feira, 25, ao presidente Rodrigo Maia, na qual afirmam que o novo marco legal do licenciamento ambiental, previsto para ser colocado em votação pelo plenário nas próximas, possui retrocessos inaceitáveis e ignora acordos que já haviam sido firmados em defesa da pauta ambiental.

O documento é assinado por Greenpeace, Instituto Democracia e Sustentabilidade, Instituto Socioambiental (ISA), Observatório do Clima, SOS Mata Atlântica e WWF. As organizações reconhecem a relevância que a pauta ambiental ganhou no Congresso, mas afirmam que parte relevante dessa agenda começa a falhar em um de seus itens mais importantes, a Lei Geral de Licenciamento Ambiental.

“Há sinais de que o projeto pode vir a ser colocado em votação com retrocessos inaceitáveis, os quais, se aprovados pela Câmara dos Deputados, resultarão no desmonte do licenciamento ambiental, principal instrumento de nossa política ambiental, fundamental para prevenir a poluição, a degradação ambiental e, assim, garantir qualidade de vida aos brasileiros/as ao tempo em que permite o desenvolvimento econômico sustentável”, afirmam as ONGs.

O tema tem sido debatido desde o início do ano passado, para se chegar a um consenso sobre o Projeto de Lei Geral do Licenciamento Ambiental (PL n.º 3.729/2004). O texto é relatado pelo deputado federal Kim Kataguiri (DEM-SP) e acompanhado de perto por Maia. Ao Estadão, Kataguiri confirmou sua intenção de colocar o texto para votação até o fim de setembro.

Segundo as organizações, porém, decisões importantes que tinham sido firmadas até agosto de 2019 caíram por terra, depois de ser divulgada uma quarta versão da proposta. Ainda no ano passado, as ONGs afirmaram que Kataguiri “rompeu acordos firmados anteriormente e apresentou, de última hora, um substitutivo que tornava o licenciamento exceção, em vez de regra”.

As negociações, afirmam as organizações, fluíram bem em fevereiro e março, mas passaram a transcorrer com grandes dificuldades a partir de junho, ”retomando disposições inaceitáveis, cuja adoção representaria graves prejuízos ao meio ambiente e aos direitos sociais” na quarta versão do texto, a proposta mais atual que trata da lei geral.

As organizações ambientalistas declaram que cederam em relação às suas posições originais em diversas oportunidades, “sempre no intuito de alcançar um texto de meio-termo”, mas o acordo era que o texto, “em hipótese nenhuma, poderia implicar na diminuição da proteção ambiental no país”.

Entre os pontos de maior conflito que travam a conclusão do processo de negociação está, por exemplo, a permissão de que obras e atividades de médio impacto ambiental sejam objeto de licenciamento automático, mediante a dispensa a análise prévia do órgão ambiental. A adoção da Licença por Adesão e Compromisso (LAC), antes rejeitada por ambientalistas, foi aceita desde que se restringisse a empreendimentos ou atividades de baixo impacto e baixo risco, que representam parte significativa das atividades sujeitas a licenciamento por órgãos estaduais e municipais.

“A ampliação do escopo desse novo tipo de licença para empreendimentos de médio impacto e médio risco consiste em medida desproporcional, pois aumenta muito os riscos para a sociedade (atividades como mineração com barragem de rejeitos poderiam ser licenciadas por esse sistema) em troca de ganhos apenas marginais em agilidade processual”, afirmam, no documento.

Segundo as ONGs, a proposta atual também permite flexibilizações estaduais ou municipais sem limites, em desrespeito à competência legislativa concorrente em matéria ambiental, tal como determina a Constituição Federal e conforme reiterado entendimento do Supremo Tribunal Federal.

“O acordo de se evitar retrocessos ambientais foi rompido, ainda, quando expuseram pretensão de usar a Lei Geral de Licenciamento para promover alterações em outras importantes leis ambientais, especialmente na Lei do Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC) para eliminar a necessidade de autorização do ICMBio ou de órgãos estaduais ou municipais para a realização de empreendimento com impacto nessas áreas protegidas”, declaram as instituições.

Em nota ao Estadão, Kim Kataguiri negou rompimento e disse que ainda trabalha na versão final do texto. “Não houve rompimento nenhum, eu ainda nem terminei de fazer a quinta versão, que levarei aos ambientalistas antes de deixar pública para acertarmos os destaques, como combinei desde o início, afirmou. “Quem quebra acordo são eles, que partem para o ataque antes de eu ter a oportunidade de apresentar o que acatei de cada um dos lados para uma negociação final.”

O deputado disse que “não faz sentido dizer que lancei a quarta versão do texto de última hora, se ela está pública há praticamente um ano”. Sem falar que eu sou o único relator da história do projeto que divulga as versões de acordo com o progresso do texto. Eles estão batendo num espantalho, a quinta versão sequer existe ainda”, afirmou.

Questionado sobre a carta, Rodrigo Maia não confirmou que a votação deve ocorrer em setembro e disse que ainda vai analisar o assunto. “Ainda não estou olhando este tema. Tenho vários temas com urgência pra votar”, disse.

Indígenas

As ONGs afirmam ainda que a proposta atual incentiva a desproteção a povos indígenas e comunidades quilombolas, bem como ao Patrimônio Histórico e Cultural, ao dispensar a avaliação de impacto sobre seus territórios tradicionais em todos os casos em que os processos de demarcação ainda não estejam finalizados, em afronta direta à Constituição Federal e à Convenção n.º 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT).

“Empenhamos nossos esforços no diálogo porque entendemos ser possível conciliar desburocratização e proteção ambiental. Não aceitaremos, contudo, propostas que pretendam o desmonte do mais importante instrumento da Política Nacional do Meio Ambiente”, diz Maurício Guetta, consultor jurídico do Instituto Socioambiental (ISA), que assina o documento.

A carta enviada a Rodrigo Maia conclui com a afirmação de que “o Brasil vive momento decisivo para traçar seu futuro e vencer a tripla crise econômica, sanitária e climática”.

“Até aqui, empenhamos boa-fé e energia na construção de propostas que contribuam para aprimorar a proteção ambiental, avançar na justiça social e impulsionar o desenvolvimento econômico. Não podemos aceitar, contudo, que se comprometa a qualidade de vida e se aumente a exposição da sociedade brasileira a riscos de natureza socioambiental em nome de uma suposta simplificação de processos”, afirmam as ONGs.

As instituições afirmam que é possível conciliar desburocratização e proteção ambiental, o que é uma exigência não só da sociedade brasileira, mas também de investidores nacionais e internacionais. “Infelizmente, no entanto, a proposta ainda não alcançou esse objetivo.”

Elas pedem, assim, que seja mantido o acordo pactuado no ano passado. “O Brasil precisa de um Green Deal, não de greenwash”, concluem, no documento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.