finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Em Congonhas, aposentado protesta contra fundo Aerus

Amauri Guedes manifesta-se contra redução dos benefícios do fundo de pensão dos funcionários de cias. aéreas

Anne Warth, da Agência Estado,

20 de julho de 2007 | 19h34

O saguão do aeroporto de Congonhas foi palco de mais uma manifestação no início da tarde desta sexta-feira, 20. O aposentado Amauri Guedes, de 72 anos, protestava vestido com uma fantasia de esqueleto contra a redução dos benefícios pagos pelo fundo de pensão dos funcionários de companhias aéreas (Aerus), com o qual diz ter contribuído durante toda a sua vida. Amauri com mais de quatro décadas de trabalho como comissário e também na equipe de terra da Varig, disse que desde maio do ano passado sua aposentadoria foi reduzida de R$ 5.689 para os atuais R$ 1.300. No próximo mês, ele afirma que não irá receber nada. "Não tenho dinheiro para pagar o plano de saúde da minha esposa que tem osteoporose, pois a mensalidade é de mais de R$ 1 mil", contou, aos prantos. O aposentado faz manifestações públicas a cerca de um ano e já realizou protestos durante a visita do Papa Bento XVI ao Brasil e também na Maratona de são Paulo. A redução dos benefícios pagos pelo Aerus, foi uma conseqüência do rombo provocado pelos sucessivos atrasos e repactuações no aporte de recursos devidos pela patrocinadora Varig, que alegava ser credora do governo, cobrando indenizações pelo congelamento de tarifas. A empresa ganhou em última instância no Superior Tribunal de Justiça (STJ) a ação judicial que promoveu contra o governo federal para ser indenizada por prejuízos decorrentes do período de congelamento de tarifas, entre 1986 e 1991. Por sete votos a um, a ação está a caminho do Superior Tribunal Federal (STF), em Brasília. De acordo com o Sindicato Nacional dos Aeronautas, a ação ainda não chegou ao STF porque o ministro que votou contra ainda não relatou o seu voto.

Tudo o que sabemos sobre:
Aerus

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.