Em Davos, Opep teme 'ponto perigoso' do preço do petróleo

Não vamos hesitar em tirar mais óleo do mercado', afirmou na Suíça o secretário-geral do cartel

Daniela Milanese, enviada especial da AE

29 de janeiro de 2009 | 08h43

O secretário-geral da Opep, Abdalla Salem El Badri, afirmou que o preço do petróleo "está em um ponto muito perigoso". "Não estamos felizes com o óleo a US$ 40,00, nem a US$ 50,00", disse há pouco, durante o Fórum Econômico Mundial, em Davos. Depois de quase bater US$ 150,00 em meados do ano passado, a commodity passou a despencar até a casa dos US$ 30,00 em razão da crise global. Segundo El Badri, a Opep está observando destruição de demanda desde julho de 2008. "Eu olhava o petróleo a quase US$ 150,00 e não estava feliz com ele", disse. "Pode parecer estranho, mas é verdade, porque aquele preço não estava baseado em nenhum fundamento, era só especulação."Desde então, a Opep realizou alguns encontros e cortou produção, sem conseguir, contudo, segurar as cotações. "Não vamos hesitar em tirar mais óleo do mercado." Segundo ele, há desaceleração em toda parte e 2009 será um ano muito difícil."O petróleo a US$ 50,00 não nos permite investir, e investimento é o nome do jogo", afirmou. El Badri avalia que é preciso evitar a situação verificada na década de 1980, quando as cotações impediram os aportes em aumento da capacidade e, quando a demanda se recuperou, houve problemas.Ele acredita que os pacotes de estímulo adotados em diversos países farão com que o consumo seja reativado em algum momento, possivelmente no final de 2009 ou início de 2010. "Precisamos estar preparados para atender a essa demanda adicional no futuro."

Tudo o que sabemos sobre:
davosOpeppetróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.