Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Imagem Affonso Celso Pastore
Colunista
Affonso Celso Pastore
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Em defesa das privatizações

Se o País buscar apenas receita perderá a oportunidade de estimular o crescimento

Affonso Celso Pastore, Impresso

03 de setembro de 2017 | 05h00

O governo Temer anunciou a privatização da Eletrobrás, e imediatamente a discussão se concentrou na avaliação da receita vinda da alteração das “quotas” geradas pela malfadada MP 579. Receitas não são o produto mais importante da privatização. Se o Brasil pôr em prática uma agenda de privatizações colherá muitos benefícios, mas se buscar apenas a obtenção de receita perderá uma oportunidade de estimular o crescimento, sem resolver o problema fiscal.

No pós-guerra, os países ao redor do mundo assumiram um papel enorme na produção de bens e serviços, sendo proprietários de tudo, como minas, fábricas, bancos e companhias de seguro, entre outros. Escaparam a essa tendência os EUA e o Japão, mas sucumbiram a ela Itália, França e Áustria, ao lado de muitos países emergentes. No Brasil, desde cedo criamos uma empresa estatal no setor de petróleo, seguida de outras em setores “estratégicos”, como: energia elétrica, telecomunicações, mineração e produção de ferro e aço.

Essa tendência mundial se inverteu nos anos 90. O símbolo da mudança foi o programa de privatizações de Margareth Thatcher, no Reino Unido, mas 20 anos antes a Alemanha de Konrad Adenauer já havia feito algo semelhante. Qual dos dois sistemas é melhor: a produção através de empresas estatais; ou através do setor privado? A resposta dada pela Teoria Econômica é que os incentivos – vindos do lucro e da meritocracia – são mais fortes nas empresas privadas, conduzindo a menores custos e maior produtividade, elevando o bem-estar da sociedade.

Já em 1985, o Banco Mundial lançou um relatório crítico às estatais, cujos resultados foram sendo confirmados – ano após ano – por um grande número de investigações empíricas (Megginson e Netter: From State to Market: A Survey of Empirical Studies on Privatization. J.E.L., 2001). A ilusão de que as empresas estatais corrigiriam falhas de mercado foi destruída por evidências de que haviam falhas do governo, reduzindo o bem-estar da sociedade.

Consciente desse resultado, nos anos 90, o Brasil realizou um programa de privatizações abrangendo a siderurgia, as telecomunicações, a companhia Vale do Rio Doce e a Embraer. Esses são exemplos de privatizações puras, nos quais há uma transferência de propriedade e de riscos integralmente para o setor privado. Em todos eles cresceram os valores das empresas e ocorreu um notável aumento de eficiência produtiva, constituindo-se em uma eloquente prova empírica das previsões da teoria.

Será que as empresas estatais não poderiam copiar a governança e a meritocracia das empresas privadas? Essa seria a orientação de um governo benevolente, mas o objetivo da maior parte dos governos é obter suporte político, e para isso tendem a distribuir benesses aos que o suportem, usando o poder que têm sobre empresas estatais. O resultado é, no mínimo, a geração de empresas atulhadas de funcionários, recebendo salários que não correspondem à sua produtividade.

Contudo, em um presidencialismo de cooptação, como o nosso, corre-se o risco de transformar essas empresas em dutos de canalização de recursos aos partidos, como descobriu-se através do escândalo de corrupção da Petrobrás e do affaire da JBS. Felizmente, no caso da Petrobrás essa fase se encerrou com a diretoria comandada por Pedro Parente. Mas quem garante que seu sucessor não retorne aos vícios anteriores?

Em um trabalho clássico, Schleifer e Vishny (Corruption, NBER Working Paper #4372) concluem que “empresas estatais são ineficientes não somente porque seus gestores têm incentivos fracos para reduzir custos, e sim porque a ineficiência é o resultado da política do governo de transferir recursos aos que o suportam”. Não somente os incentivos das empresas estatais são mais fracos, como esse é, também, o resultado da política de transferir recursos aos apoiadores do governo, quer em uma versão mais branda – superdimensionado os empregos –, quer em uma versão mais infecciosa – a corrupção pura e simples.

Essas são algumas das razões pelas quais sou favorável a um programa ambicioso de privatizações e espero que o açodamento em “gerar boas notícias” não gere mais custos do que benefícios.

* EX-PRESIDENTE DO BANCO CENTRAL E SÓCIO DA A.C. PASTORE & ASSOCIADOS. ESCREVE NO PRIMEIRO DOMINGO DO MÊS

 

Tudo o que sabemos sobre:
privatização

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.