Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Em dez anos, passagem aérea tem queda de 23%

Número de passageiros mais que triplicou no período

Alberto Komatsu, RIO, O Estadao de S.Paulo

22 de agosto de 2009 | 00h00

A multiplicação do número de usuários da aviação comercial brasileira nos últimos 10 anos foi impulsionada por um recuo de 23% no preço das passagens entre 1998 e 2008. Isso é o que mostra estudo sobre o desenvolvimento do setor aéreo na última década elaborado pela consultoria Bain & Company. Por esse levantamento, o fluxo de passageiros no País triplicou de 1998 para 2008, saltando de 16,5 milhões para 50 milhões. No mercado internacional, o volume passou de 7,9 milhões para 13,3 milhões de pessoas no mesmo período."O que chama a atenção é que, apesar da concentração do mercado em duas empresas, o setor se desenvolveu e as tarifas caíram. Houve espaço para as empresas mais eficientes crescerem", diz o especialista em aviação da Bain, André Castellini. Segundo ele, há 10 anos o mercado era muito regulado e "protegia" a hegemonia da antiga Varig - ambiente que não proporcionava um barateamento das tarifas, como ocorre atualmente.Aumentos de 87% na média de horas voadas das aeronaves e de 479% na quantidade de passageiros transportados por quilômetro proporcionaram uma expansão de 371% da receita por avião de 1998 a 2008. Foram esses os resultados da busca por eficiência nos últimos 10 anos e é por isso, de acordo com Castellini, que as tarifas ficaram com os preços mais em conta."Custos mais baixos, concorrência entre as duas empresas mais eficientes e a consciência de que o mercado responde muito bem a tarifas baixas, mais o crescimento do País, tudo isso fez com que o transporte aéreo se popularizasse", diz Castellini. E esse fenômeno não é exclusivo do Brasil, onde TAM e Gol/Varig respondem por mais de 80% dos voos domésticos. O consultor lembra que no Chile, Austrália, Canadá e México o predomínio de, no máximo, duas empresas também barateou as tarifas. "É natural esse grau de concentração no Brasil. Se você vira monopolista perde eficiência. Foi o que aconteceu com a Varig. No mundo todo as tarifas têm caído, apesar da concentração em vários outros países", afirma Castellini.ANOS 50O estudo da Bain indica que o estágio atual de desenvolvimento da aviação brasileira equivale ao dos Estados Unidos na década de 50. A comparação foi feita dividindo-se o total de passageiros embarcados pela população de cada país. Por esse cálculo, o índice americano nos anos 50 era de 0,22. No Brasil de hoje, essa proporção é de 0,25.É por isso que, conforme o levantamento, há potencial para o mercado brasileiro triplicar de tamanho nos próximos 15 anos. Na década de 60, a aviação americana cresceu 2 a 3 vezes mais que a expansão do PIB no período. Castellini estima que o setor aéreo tem chances de se expandir 9% ao ano no País até meados de 2025, ou até duas vezes e meia a expansão do PIB no período, projetada em 3,5% ao ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.