Em dia de boatos e instabilidade, dólar fecha em R$ 3,0700

Durante a tarde, boatos sobre uma suposta saída do ministro da Fazenda, Antonio Palocci, provocaram forte instabilidade nos mercados. Líderes do Partido dos Trabalhadores (PT) passaram toda a tarde desmentindo tais rumores. Entre eles o líder do governo no Senado, Aloizio Mercadante (PT-SP). Por intermédio de sua assessoria, Mercadante afirmou que os boatos eram fruto de especulação e que a questão da permanência ou não de Palocci nem está em discussão no governo. "É uma ação clara de especuladores", afirmou. O presidente Nacional do PT, José Genoino, também interveio para desmentir os boatos.Curiosamente, bastaram as primeiras notas sobre os boatos que circulavam em Wall Street e City Londrina sobre o ministro Palocci e o mercado baixou sensivelmente o estresse. Segundo apuração da editora Márcia Pinheiro, da Agência Estado, à medida que ficam claros alguns interesses especulativos, os investidores reduziram a inquietação. O dólar comercial encerrou a segunda-feira em R$ 3,0700 na ponta de venda dos negócios, em alta de 1,32% em relação às últimas operações de sexta-feira. A moeda norte-americana operou em alta durante todo o dia. Depois de abrir cotada a R$ 3,0650, oscilou da mínima de R$ 3,0550 à máxima de R$ 3,1100. Com o resultado de hoje, o dólar acumula queda de 13,28% no ano. Veja nos links abaixo mais informações sobre o clima nervoso no mercado financeiro nesta segunda-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.