Americanas/ Divulgação
Americanas/ Divulgação

Shopstreaming: varejo aposta em formato de 'televendas' adaptado para o online

Após fenômeno das lives musicais, varejistas como Americanas e C&A decidiram investir na fórmula de vendas ao vivo para atrair consumidor

Carla Menezes, O Estado de S.Paulo

14 de setembro de 2020 | 05h00

Nos primeiros meses de quarentena, foi quase impossível escapar do fenômeno das lives musicais. Com enorme audiência, artistas atraíram marcas que encheram a tela de inserções e QR-Codes promocionais. Agora, varejistas entram na onda das lives com seus próprios programas, unindo tecnologia e estratégias de marketing para atrair um público ávido por entretenimento. É o chamado shopstreaming, formato que ganhou força no mercado asiático nos últimos anos.

Trata-se também da volta “repaginada” de uma velha conhecida: a televenda. Canais como o Shoptime estão, há décadas, demonstrando produtos em tempo real na TV. A Americanas, que pertence ao mesmo grupo da Shoptime, diz aproveitar a expertise do canal e usá-lo como referência nos projetos na internet. 

Para Alexandre Marchesi, coordenador da pós-graduação em e-commerce da ESPM, o shopstreaming precisa adotar ferramentas mais modernas para se estabelecer. “Na internet, você não fala tanto (quanto na TV), você mostra. É o navegar, o interagir. (O formato) vai crescer, mas o processo vai passar por alguns degraus de evolução.”

Mostrar, em vez de relatar, é o que a atração Americanas ao Vivo, lançada em junho em parceria estratégica com a influenciadora digital Camila Coutinho, tenta fazer. “Vimos que faz diferença para o cliente, ao fazer uma compra online, ter a real dimensão de como é o produto, para avaliá-lo melhor e adquiri-lo naquele momento, dentro do aplicativo”, explica Leonardo Rocha, chefe de marketing da plataforma digital Americanas.

A empresa diz que viu a busca pelos produtos divulgados nas lives de seu aplicativo se multiplicar por dez. Enquanto os apresentadores mostram itens de beleza, decoração e eletrônicos e divulgam promoções relâmpago, o cliente pode comprar os produtos ao clicar em botões mostrados na tela. “A marca vê que pode ser provedora do entretenimento e ter controle sobre como quer ser vista e o conteúdo que quer divulgar”, diz Paula Gertrudes, diretora da Cara de Conteúdo, empresa que faz o “match” entre empresas e artistas para a realização de campanhas. 

A C&A estreou no shopstreaming, também conhecido por live commerce, na última quinta-feira, com a plataforma Tudo Combinado, que inclui a transmissão de um programa ao vivo no YouTube, apresentado pela atriz Fernanda Souza e as convidadas Fernanda Rodrigues e Giovanna Lancellotti. Enquanto elas participam de jogos relacionados ao universo dos produtos da C&A e conversam sobre bastidores da TV, os clientes têm acesso a códigos e promoções que levam para o site ou o aplicativo da varejista. 

“A gente queria que essa cliente que está assistindo ao programa encontrasse os produtos da forma mais fácil possível. Por isso, a página, além de ter o episódio, traz a seleção de produtos mostrados”, diz Mariana Moraes, gerente sênior de Marketing da C&A Brasil. Segundo ela, alguns modelos mostrados na transmissão esgotaram em menos de 24 horas. 

Na mesma linha, a Nespresso lança, na quinta-feira, uma “loja ao vivo”, que transmitirá receitas e dicas de harmonização, enquanto vendedores atendem clientes num chat. As lives serão feitas na unidade da marca na rua Oscar Freire, em São Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
C&aLojas Americanas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.