Em honestidade, Rio de Janeiro fica em 11º lugar em grupo de 18 cidades

Pesquisadores espalharam carteiras com dinheiro pelas ruas para verificar quantas seriam devolvidas

Economia & Negócios,

25 de setembro de 2013 | 16h34

SÃO PAULO - Uma pesquisa internacional para avaliar as cidades mais honestas do mundo colocou o Rio de janeiro em 11º lugar em uma lista de 16 grandes cidades do mundo.

A pesquisa sem método científico foi feita pela revista Reader's Digest, que espalhou 192 carteiras com itens pessoais e US$ 30 nas ruas para verificar quantas delas seriam devolvidas.

Menos da metade das carteiras foi devolvida. Helsinque, capital da Finlândia, revelou-se a cidade mais honesta: de 12 carteiras, 11 retornaram. Já em Lisboa, só 1 das 12 voltou, graças a um casal holandês que passava férias na cidade.

No Rio de Janeiro, quatro das 12 carteiras foram devolvidas.Nova York ficou em terceiro lugar no conjunto, e Londres aparece em nono lugar.

Além de dinheiro, as carteiras continham fotografias de família e detalhes de contato para localizar o dono.

O estudo, que estará na edição de outubro da revista, mostrou que a renda do local onde a carteira foi perdida não influencia no porcentual de devolução.

A cidade de Mumbai, na Índia, apesar de mais pobre em relação às cidades europeias, ficou em segundo lugar, com a devolução de nove das 12 carteiras perdidas com 3 mil rúpias.

Em Zurique, na Suíça, apenas quatro carteiras foram recuperadas de 12 espalhadas nas ruas com 43 francos suíços.

Em Londres, que ficou em nono lugar, apenas cinco das 12 carteiras foram devolvidas, o mesmo resultado de Varsóvia, na Polônia, e uma colocação atrás de Berlim , na Alemanha.

Sexo e idade. A pesquisa também mostrou que a honestidade independe de sexo e idade. Lasse Luomakoski, estudante de 27 anos que devolveu uma das carteiras em Helsinque, acha que seu povo é naturalmente propenso a ser honesto.

Ele disse ao jornal Daily Mail: "Os finlandeses são naturalmente honestos, é típico para nós. Somos uma pequena comunidade, tranquila e intimamente unida. Temos pouca corrupção e nós nem sequer furamos os sinais vermelhos no trânsito".

Vaishali Mhaskar, mãe de dois filhos, devolveu uma carteira deixada no centro de Mumbai. Ela comentou: "Eu ensino meus filhos a serem honestos, assim como meus pais me ensinaram".

Em Zurique, uma carteira foi encontrada e levada embora por um motorista de bonde, apesar do fato de que o sistema de transporte da cidade contar com um serviço de achados e perdidos.

Muitos casos de desonestidade foram verificados na pesquisa. Um homem pegou a carteira, olhou o que havia dentro e imediatamente subiu em um Mazda e foi embora.

Um homem em Nova York encontrou o dinheiro e entrou imediatamente em uma loja de conveniência para sair em seguida com um estoque de cigarros.

Os repórteres encarregados da pesquisa seguiram um homem idoso em Amsterdã em uma loja de bebidas depois que ele encontrou uma carteira, mas descobriram que ele havia pedido a atendente da loja para telefonar para o número que estava anotado na carteira.

Catherine Haughney, editora da Readers Digest, comentou: "É realmente inspirador ver que há tantas pessoas honestas no mundo. E, acima de tudo, que a honestidade é valorizada entre jovens e velhos, homens e mulheres, pobres e ricos em culturas muito diferentes".

Mais conteúdo sobre:
honestidade

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.