Divulgação
Divulgação

Em manifesto entregue ao governo, indústria critica atraso de políticas para inovação

Representantes da indústria pedem a criação de uma base normativa, que incentive a ciência, a tecnologia e a inovação

Mário Braga e Álvaro Campos, O Estado de S. Paulo

13 Maio 2015 | 13h46

SÃO PAULO - Representantes da Mobilização Empresarial pela Inovação (MEI) entregaram ao ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Aldo Rebelo, uma manifesto em que defendem a necessidade de políticas voltadas para a inovação na indústria e criticam o atraso das pautas econômicas que estão sendo discutidas atualmente. 

"Não era mais o momento de questionar a necessidade de equilíbrio fiscal ou de inserção do Brasil no ambiente global", afirmou o cofundador da Natura, Pedro Passo, que realizou a leitura do manifesto durante o 6º Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria, promovido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e pelo Sebrae, em São Paulo.


O documento defende a atuação do governo como fundamental para a criação de uma base normativa, que propicie a criação de instrumentos para incentivar a ciência, a tecnologia e a inovação. "As políticas deverão ser capazes de responder aos desafios do ambiente global", disse. "Queremos uma País moderno, livre do atraso", afirmou.

O manifesto da MEI propõe ainda a necessidade de incorporar na visão de País "a obsessão por aumento da produtividade, ao invés de desperdiçar tempo precioso consertando erros do passado".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.