Divulgação
Divulgação

Em manifesto entregue ao governo, indústria critica atraso de políticas para inovação

Representantes da indústria pedem a criação de uma base normativa, que incentive a ciência, a tecnologia e a inovação

Mário Braga e Álvaro Campos, O Estado de S. Paulo

13 de maio de 2015 | 13h46

SÃO PAULO - Representantes da Mobilização Empresarial pela Inovação (MEI) entregaram ao ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Aldo Rebelo, uma manifesto em que defendem a necessidade de políticas voltadas para a inovação na indústria e criticam o atraso das pautas econômicas que estão sendo discutidas atualmente. 

"Não era mais o momento de questionar a necessidade de equilíbrio fiscal ou de inserção do Brasil no ambiente global", afirmou o cofundador da Natura, Pedro Passo, que realizou a leitura do manifesto durante o 6º Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria, promovido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e pelo Sebrae, em São Paulo.


O documento defende a atuação do governo como fundamental para a criação de uma base normativa, que propicie a criação de instrumentos para incentivar a ciência, a tecnologia e a inovação. "As políticas deverão ser capazes de responder aos desafios do ambiente global", disse. "Queremos uma País moderno, livre do atraso", afirmou.

O manifesto da MEI propõe ainda a necessidade de incorporar na visão de País "a obsessão por aumento da produtividade, ao invés de desperdiçar tempo precioso consertando erros do passado".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.